Tucanos inauguram obra e fazem festa ao PMDB em SP

Inauguração de ponte que levou nome do ex-governador Orestes Quércia reuniu lideranças dos dois partidos; PSDB busca aproximação com foco em 2012

Daiene Cardoso, da Agência Estado

27 de julho de 2011 | 13h20

De olho numa possível aproximação com o PMDB nas eleições municipais de 2012, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), inaugurou nesta quarta-feira, 27, a ponte estaiada Governador Orestes Quércia, homenagem ao ex-presidente do diretório estadual peemedebista morto em dezembro de 2010. O evento na capital paulista reuniu caciques do PMDB paulista, prefeitos, deputados, vereadores e desafetos históricos no mesmo palco, entre eles o pré-candidato do PMDB à sucessão do prefeito Gilberto Kassab, deputado federal Gabriel Chalita (SP), e o ex-governador José Serra.

Além da mulher Alaíde e de três dos quatro filhos de Quércia, compareceram ao tributo a ele o vice-presidente da República, Michel Temer, que veio representando o PMDB nacional, o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, o deputado estadual Baleia Rossi (presidente do PMDB em São Paulo), o vereador paulistano Antonio Goulart (quem sugeriu a homenagem a Quércia), a vice-prefeita Alda Marco Antônio, o presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, e líderes regionais do partido.

Entre os tucanos marcaram presença, além de Serra, o ex-governador Alberto Goldman, o senador Aloysio Nunes Ferreira (SP) e secretários de Alckmin. Numa festa que teve como anfitriões tucanos e peemedebistas, compareceram também o prefeito Gilberto Kassab (ex-DEM), o vice-governador Guilherme Afif Domingos (ex-DEM), o deputado federal Paulo Maluf (PP) e o senador petista Eduardo Suplicy.

"Justíssima". Durante a inauguração da ponte, Alckmin celebrou a "justíssima" homenagem a Quércia. "Nós relacionamos esta homenagem ao seu papel importante na redemocratização do País", disse. Segundo Alckmin, a obra de R$ 85 milhões que ligará a Avenida do Estado e a Marginal do Tietê está à altura da importância de Quércia para o Estado: "Ele dedicou uma vida inteira a São Paulo e ao Brasil e foi o governador das grandes realizações."

Em nome do PMDB, Temer elogiou a "sabedoria" de Alckmin em dar o nome de Quércia a uma obra de grande porte. "Vossa Excelência teve a sabedoria de não nomear uma rua, uma pequena ponte", agradeceu. Embora Quércia tenha liderado o PMDB paulista na campanha do então candidato José Serra à Presidência da República, Temer fez questão de anunciar que trazia de Brasília os cumprimentos de diversos ministros, incluindo os que não são do PMDB. "Trago também o abraço fraternal da presidente Dilma Rousseff à dona Alaíde (viúva de Quércia)", acrescentou.

Em seu breve discurso, Temer afirmou que Quércia foi uma "ponte entre o povo mais humilde e o poder". Diante de Serra, o líder do PMDB rasgou elogios a Alckmin e Kassab pela capacidade de demonstrar "que podem unir as mais variadas correntes". "Vocês são aqueles que unem as pessoas e a democracia precisa disso." Perguntado por jornalistas se a homenagem era um sinal de aproximação entre PSDB e PMDB visando a 2012, Temer disse que em política "tudo é possível". "O que vai acontecer só o futuro vai dizer", desconversou.

Amigos e inimigos. Em uma de suas primeiras inaugurações como pré-candidato do PMDB à Prefeitura de São Paulo, o deputado federal Gabriel Chalita teve de dividir o palco com amigos e inimigos políticos. Discreto na chegada, o deputado foi anunciado pelo mestre de cerimônias, subiu ao palco e evitou cumprimentar o prefeito Gilberto Kassab e o ex-governador José Serra.

Chalita preferiu ficar no fundo, o mais distante possível de Serra e Kassab. Cumprimentou ex-colegas tucanos, como o ex-governador Alberto Goldman, mas, quando percebia a aproximação de Serra, mudava imediatamente de lado. O deputado chegou a passar ao lado de Kassab, mas fingiu que não viu. Em nome da diplomacia, Kassab também se fez de desentendido, mas no discurso não relacionou o deputado na lista das autoridades presentes. Se Serra e Kassab ignoraram o deputado, Temer e Alckmin (tradicional aliado de Chalita) chamaram a atenção para sua presença em seus discursos.

Desde que trocou o PSB pelo PMDB, Chalita tem procurado circular com o vice-presidente da República. Recentemente, o deputado acompanhou Temer na cerimônia de premiação dos destaques AE Empresas e Setores, evento promovido pelo Grupo Estado e que reuniu empresários de todo o País em São Paulo. Nesta quinta, Chalita participou do evento como presidente do diretório municipal do partido. Ao final da inauguração, Chalita saiu pelos fundos, sem falar com a imprensa, acompanhado do vice-presidente da República.

Tudo o que sabemos sobre:
inauguraçãopontetucanosPMDBSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.