Tucanos criticam PAC e preparam propostas de emendas

Com várias críticas ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da economia, o PSDB concluiu nesta terça-feira a reunião de deputados e técnicos do partido, para definir quais emendas apresentará às medidas provisórias e projetos de lei do programa do governo federal. Os tucanos criticaram parte da MP que autoriza a União a repassar R$ 5,2 bilhões à Caixa Econômica Federal (CEF) para serem utilizados em saneamento, habitação e "outras despesas" da CEF. O PSDB posicionou-se contra o uso dos recursos para "outras despesas". "As medidas para conter a expansão de gastos correntes são tímidas e ainda incertas, pois dependem de aprovação do Congresso e de decisões quanto à constitucionalidade, como, por exemplo, no caso do FGTS e outros dispositivos ainda passíveis de questionamentos", diz um documento distribuído à bancada durante a reunião. Um representante do governo de São Paulo apresentou à reunião, entre outras propostas, a de alteração no dispositivo do PAC que prevê o uso do Salário Educação de forma a permitir que a merenda escolar seja custeada com verbas da educação. "Querem colocar merenda na verba da educação. Isso tem de morrer aqui. O PSDB não pode propor isso", afirmou o ex-ministro da Educação e deputado Paulo Renato (SP). Nesta noite, o PSDB vai reunir sua Executiva para definir quais propostas de emendas ao PAC serão apresentadas pelo partido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.