Tucanos cobram ação de Serra

Dirigentes querem que ele antecipe engajamento

Carlos Marchi, O Estadao de S.Paulo

17 de agosto de 2008 | 00h00

Entre a perplexidade e o susto causados pela pesquisa Ibope publicada ontem pelo Estado, os comandos tucanos passaram a cobrar que o governador José Serra (PSDB) antecipe um decidido engajamento na campanha municipal paulistana. A pesquisa aumentou a descrença nas chances eleitorais do prefeito Gilberto Kassab (DEM) e, na mesma medida, realimentou a pressão para que Serra se engaje já na campanha do ex-governador Geraldo Alckmin.Até a semana passada, a posição de Serra estava definida: submetido a pressões dos dois candidatos da antiga aliança PSDB-DEM, ele decidiu esperar até o fim da primeira semana de setembro, depois de duas semanas de propaganda gratuita na televisão e no rádio, por sinais vitais da candidatura Kassab. Se o prefeito, candidato preferencial de Serra, melhorasse sua intenção de voto, o governador continuaria neutro; mas se continuasse a exibir índices esquálidos, Serra lhe pediria encarecidas desculpas e embarcaria de vez na campanha de Alckmin.Os kassabistas, no entanto, argumentam que seu candidato só ganhará empuxo com o início da propaganda gratuita na televisão. Eles dizem que o prefeito é pouco conhecido e que a maioria do eleitorado não faz conexão entre ele e as obras da prefeitura. Por isso, precisaria de exposição na TV. Os alckmistas pregam, no rumo inverso, que o PSDB está perdendo um precioso tempo e que, se Serra demorar a se engajar, pode não haver chance de recuperar o espaço perdido que a pesquisa indicou.?FORA DE PONTO?Alckmin desqualificou ontem o levantamento e disse que continua "animado" com a receptividade da população. "Acho que essa pesquisa está fora de ponto. Não deve nem ser considerada", afirmou ele durante caminhada na Vila Formosa, zona leste. O candidato classificou como "estranha" a queda de 5 pontos e destacou que não está preocupado nem mudará nada em sua campanha. "Estamos indo muito bem e no segundo turno vamos ganhar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.