Tucanos amadores

O PSDB é hoje um partido sem identidade e sem rumos, que busca o estelionato eleitoral

João Domingos, O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2017 | 03h00

Ulysses Guimarães e Tancredo Neves costumavam dizer que a política é a arte de construir consensos a partir das divergências. Dessa prática eles fizeram a sua profissão de fé. Na política, enfrentaram a ditadura, cada um a seu modo, sempre na tentativa de construir o consenso. Tancredo aceitou as regras do regime para acabar com ele. Uniu-se a dissidentes e venceu a eleição realizada no último Colégio Eleitoral dos militares. Não assumiu a Presidência porque adoeceu e morreu. Mas deixou em seu lugar o vice José Sarney, que seguiu sua orientação e convocou a Assembleia Constituinte de 1987/88, responsável pela Constituição atual, a mesma Constituição que deu a Ulysses a condição política de dizer que tinha “ódio e nojo à ditadura”.

Se estivessem vivos, certamente Ulysses e Tancredo estariam estarrecidos com o que está acontecendo com o PSDB. Como é que um partido que tem todas as condições de construir o consenso em torno de um candidato de centro, com possibilidade de sair vitorioso na disputa pela sucessão de Michel Temer, pode arrumar uma crise interna grave como a atual, que pode até levar ao primeiro grande racha da legenda? 

A impressão que se tem é de que o PSDB é formado por amadores da política, mais preocupados com um pequeno detalhe aqui, outro ali, com o que o eleitor do PT pensa dele hoje, do que com o que o eleitor dele pensa sobre o futuro do País. 

Duas eleições recentes, uma no Brasil, outra na França, deveriam servir de lição para o PSDB numa hora tão importante quanto a atual. Em primeiro lugar, a eleição para a prefeitura do Rio. O centro político se dividiu em pelo menos quatro candidaturas. Com isso, os extremos, representados pelo vencedor, Marcelo Crivella, do PRB, e por Marcelo Freixo, do PSOL, passaram para o segundo turno. Caso Pedro Paulo, do PMDB, e Carlos Osório, do PSDB, tivessem se unido, eles poderiam ter chegado a cerca de 25% dos votos, cerca de sete pontos porcentuais acima de Freixo. Disputariam o segundo turno com Crivella com chances totais de vitória. Como não construíram o consenso, ficaram no meio do caminho. 

Em segundo lugar, vejamos o exemplo da eleição para presidente da França. Emmanuel Macron, o vitorioso, percebeu logo no primeiro turno que o centro estava esvaziado. Deu um jeito de ocupar o lugar dos partidos tradicionais desse campo, entre eles o Socialista, de François Hollande, e o Republicanos, de Nicolas Sarkozy. Ao mesmo tempo que avançava sobre o eleitor de centro, Macron trabalhava para isolar os extremos, comandados por Jean-Luc Mélenchon, da esquerda, e Marine Le Pen, da direita. Passou para o segundo turno com Le Pen, como queria, o que lhe garantiu uma vitória esmagadora.

Se o PSDB fosse um partido formado por profissionais, e não por figuras vaidosas ocasionais que se arruinaram politicamente por suspeitas de envolvimento em escândalos cabeludos, como o senador Aécio Neves (MG), o partido estaria nesse momento trabalhando para formar uma grande frente de centro. Com isso, teria todas as chances de isolar eleitoralmente o ex-presidente Lula, de um lado, e o deputado Jair Bolsonaro, de outro. 

Mas isso não acontece porque o PSDB é um partido sem identidade e sem rumos. Tem quatro ministérios no governo Michel Temer, mas se envergonha disso. Defende no programa partidário reformas estruturais e o equilíbrio fiscal, mas tenta esconder isso do eleitor. Em outras palavras, tenta o estelionato eleitoral. 

Quem chegou à mais interessante conclusão sobre a canoa furada que é o PSDB hoje foi o prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira (SP): “Enquanto não começarmos a remar para o mesmo lado, continuaremos todos batendo com os remos uns na cabeça dos outros”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.