Tucano reage às críticas de Chalita e diz que denúncias devem ser investigadas

Walter Feldman disse peemedebista 'se esforçou' para alegar que acusações tinham cunho político

Fausto Macedo e Bruno Boghossian, O Estado de S. Paulo

04 de março de 2013 | 22h29

SÃO PAULO - O deputado federal Walter Feldman (PSDB), que foi um dos coordenadores da campanha de José Serra (PSDB) à Prefeitura de São Paulo em 2012, afirmou nesta segunda-feira, 4, que as denúncias de corrupção contra o ex-secretário de Educação paulista Gabriel Chalita (PMDB) não fazem parte de um complô eleitoral e devem ser investigadas.

Feldman disse que Chalita "se esforçou" para alegar que as acusações são motivadas por disputas políticas. Em entrevista ao Estado no fim de semana, o deputado do PMDB declarou que as denúncias foram alimentadas pelo comitê de Serra.

"O Chalita não era importante para nós no momento eleitoral. Ele agredia muito o Serra, mas nós não dávamos muita bola", disse Feldman. "Ele não merece um complô contra ele. Levamos o caso ao Ministério Público para cumprir nosso papel de cidadãos."

Chalita é acusado pelo analista de sistemas Roberto Grobman de ter recebido R$ 50 milhões em propina de empresas interessadas em assinar contratos com a secretaria de Educação de São Paulo durante sua gestão (2002-2006). O Ministério Público investiga acusações de que uma empresa do setor de educação teria pagado reformas no apartamento do então secretário. Chalita, que enfrentou Serra na eleição municipal de 2012, nega as acusações e diz que a campanha tucana criou um dossiê para denunciá-lo.

"Não há esse interesse em desqualificar ou destruir a imagem do deputado. A gente, no PSDB, sempre tem cuidado para não fazer o que o PT fazia contra nós, com os chamados aloprados", rebateu Feldman. "Ele se esforça em dar ao caso uma dimensão que ele julga ser do tamanho dele. Se houvesse interesse eleitoral, teria se dado naquele momento. Mas nós sabemos que o Ministério Público tem seu tempo. Faz parte da política levar e apresentar elementos novos, mas nunca trabalhamos contra deputados ou políticos."

Feldman confirmou que o jornalista Ivo Patarra, que trabalhava na campanha, levou Grobman à promotoria para apresentar as acusações contra Chalita, mas negou que houvesse motivações eleitorais. Ele disse que Serra e o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), seus aliados, desconheciam o caso. "Nunca conversei sobre isso com o Kassab", afirmou.

O deputado do PSDB criticou a decisão dos advogados de Chalita de apresentar recursos administrativos ao Ministério Público para pedir o trancamento das investigações. "Torço para que a verdade aflore. Incrível é o advogado dele tentar obstruir a investigação", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.