Tucano quer criar a 'CPI da Rosemary'

Senador Alvaro Dias avaliou necessária a comissão para investigar o escândalo revelado pela Operação Porto Seguro

Rosa Costa, O Estado de S. Paulo

03 de dezembro de 2012 | 18h09

BRASÍLIA - Apesar de reconhecer a dificuldade em investigar esquemas patrocinados por antigos ou atuais aliados do governo, o líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias (PR) vai submeter na próxima terça-feira, 4, a seus colegas de partido a proposta de criar uma CPI para investigar o escândalo da venda de pareceres técnicos de órgãos federais revelado pela operação Porto Seguro, da Polícia Federal. A "CPI da Rosemary", segundo ele, mostraria à sociedade a posição dos senadores sobre o esquema.

"É um instrumento para identificar posições, informar à sociedade quem do Senado está de um lado e quem está do outro", argumenta o senador. Da forma conduzida pelo governo, Dias entende que não dá para a população saber quem procura encobrir as denúncias de corrupção e quem tenta destruí-las.

Dias adianta, porém, que não é possível criar falsas expectativas com uma CPI que terá a maior parte de seus integrantes indicados pelo governo. "Nós estamos cumprindo o nosso dever. Sem dúvida, esse escândalo vergonhoso ensejaria, sim, a instalação de uma CPI no Senado Federal", defendeu.

O líder tucano anunciou da tribuna que, se houver a concordância da bancada do PSDB, vai coletar assinaturas para instalação de uma CPI sobre o caso. "E vamos buscar dos governistas dignos desta Casa a assinatura para que possamos instalar essa CPI ou para que possamos dizer à opinião pública brasileira quem concorda com esse sistema, com esse macrossistema promíscuo, onde se instala o balcão de negócios para governar, onde se premiam os desonestos e, obviamente, mostrar aqueles que não concordam com isso", justificou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.