Tucano ganha em São Luís

Castelo assume prefeitura depois de três derrotas consecutivas

Wilson Lima, SÃO LUÍS, O Estadao de S.Paulo

27 de outubro de 2008 | 00h00

Após uma campanha marcada por muitas trocas de acusações e boatos, o ex-governador do Maranhão João Castelo (PSDB) venceu as eleições em São Luís contra o candidato Flávio Dino (PC do B). Castelo obteve 271.014 votos (55,84% dos votos válidos). Dino conquistou 214.302 votos (44,16% dos votos válidos). Castelo assume a Prefeitura de São Luís após três derrotas consecutivas. Todas para candidatos do PDT. Em 1996 e em 2000, perdeu para Jackson Lago, hoje governador do Estado. Em 2004, perdeu para o atual prefeito, Tadeu Palácio.Após a confirmação da derrota, Dino voltou ao ataque. "Foi visível o uso da máquina pública em favor do candidato do PSDB. Vou dizer isso pessoalmente ao governador, pois espero que o Maranhão tenha um futuro político civilizado", declarou. "Com certeza, dormirei muito mais tranqüilo e alegre do que o João Castelo. Saio de cabeça erguida porque fizemos uma belíssima campanha, com uma militância aguerrida, com o coração cheio de alegria", finalizou. No segundo turno, Castelo foi apoiado de forma não-explícita pela Executiva Estadual do PDT, do governador Lago. Castelo rechaçou a declaração. "Nunca precisei comprar voto e nem fazer boca de urna porque sou povo e tenho apoio do povo." E complementou: "Claro que estou satisfeito com a eleição. Não me preocupo com a margem de votos e sim com a vitória". O governador sempre defendeu o nome de Castelo para ser o sucessor de Tadeu Palácio. Palácio resistiu e lançou o seu secretário de Articulação Política, Clodomir Paz, para o cargo. Clodomir ficou em terceiro lugar no primeiro turno e, no segundo turno, apoiou o tucano.João Castelo tem 71 anos e foi presidente do Banco da Amazônia, deputado federal por quatro mandatos, governador do Maranhão e senador. PRISÃO Em São Luís foi preso o comerciante e suplente de vereador Antônio Garcês. Ele tinha R$ 5,2 mil em cédulas de R$ 20. A Polícia Federal acredita que o dinheiro era para comprar votos. A PF também prendeu simpatizantes da coligação que apoiou Dino. A acusação era que eles estavam distribuindo material do candidato. Além disso, a PF fechou um comitê que estaria distribuindo material pró-Castelo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.