Tucano diz que pode adotar o "Geraldo, paz, amor e trabalho"

O pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, disse nesta sexta-feira, em Belo Horizonte, que deve adotar o bordão "Geraldo, paz, amor e trabalho". Hoje o presidente Lula disse que se decidir disputar a reeleição pode adotar novamente o estilo da campanha presidencial de 2002: "Lulinha paz e amor". Na avaliação de Alckmin, trabalho é o que está faltando no Brasil. "Nós precisamos de menos discurso, menos história e mais eficiência em gestão, trabalho, desenvolvimento e emprego, porque o Brasil não pode mais continuar perdendo oportunidades", disse.O pré-candidato afirmou ainda que o País vive atualmente, "uma lambança" do ponto de vista ético. Em relação à questão da gestão, de acordo com Alckmin, o governo está imobilizado desde o ano passado, com denúncias de corrupção. Além do mais, disse o tucano, o crescimento econômico está muito aquém do potencial do País. Para Alckmin, é necessário a aprovação de um programa ambicioso de reformas.Pesquisas eleitoraisAo chegar à sede da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Alckmin foi recebido por cerca de 250 empresários. Sobre as últimas pesquisas eleitorais, Alckmin lembrou do encontro que teve nesta amanhã com Jacques Chirac, quando o presidente francês lhe disse que, se dependesse de pesquisas, ele teria perdido todas as eleições na França.Alckmin se disse extremamente contente com o resultado das pesquisas, porque obteve um piso alto, de mais de 20% das intenções de voto, no momento em que é conhecido por metade da população brasileira. Segundo o pré-candidato, a pesquisa tem que ser analisada no seu momento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.