Tucano diz que decisão de Marina é derrota para Dilma

O líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), afirmou que a decisão da ex-senadora Marina Silva de se filiar ao PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, é uma derrota para o governo da presidente Dilma Rousseff. Na visão de Sampaio, não é possível analisar possíveis impactos na candidatura do tucano Aécio Neves porque não se sabe qual será a capacidade de transferência de votos de Marina.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

07 de outubro de 2013 | 17h37

"A grande derrota foi do governo, que fez de tudo para impedir que Marina criasse seu partido. Quem ganhou com a ida dela para o PSB foi o campo da oposição", avaliou. "Não há perda do PSDB, que pode ter quatro partidos na sua coligação", disse Sampaio, citando DEM, Solidariedade e PPS.

Sampaio afirmou ainda que não é certo que o recall carregado por Marina da eleição de 2010 continuará a ser um patrimônio no próximo pleito e possa ser transferido para Campos. "Ela indo para ser vice de um candidato de oposição, será que esse recall permanecerá? Essa é uma dúvida que terá de ser respondida", disse. O líder tucano ressaltou que a associação de Marina e Campos não garante ao governador mais tempo de televisão na campanha porque, como o partido da ex-senadora não foi formalizado, não haverá esse benefício.

Tudo o que sabemos sobre:
Eduardo CamposmarinaCarlos Sampaio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.