Tucano apóia candidato petista em Mauá

Em Mauá, na Grande São Paulo, a rivalidade entre PT e PSDB não sobreviveu às questões locais. O candidato derrotado à prefeitura da cidade, Diniz Lopes, do PSDB, anunciou ontem sua adesão ao candidato petista Oswaldo Dias, que vai disputar o segundo turno com Chiquinho do Zaíra (PSB).Durante o anúncio do apoio, quando falou muito em coerência, o tucano fez várias referências elogiosas ao petista e, quando questionado sobre a dicotomia PT-PSDB, procurou dissociar sua postura de um acordo partidário. "O diretório do meu partido liberou o apoio para o segundo turno aos seus filiados. Estou aqui como cidadão preocupado com a cidade", disse Lopes que ficou em terceiro lugar nas urnas. O petista Oswaldo Dias venceu o 1º turno em Mauá,com 48% dos votos. O adversário do PSB, Chiquinho do Zaíra, obteve 27%.Dias, por sua vez, devolveu os afagos do tucano - que se auto-intitulou "um novo companheiro" - e afirmou que os projetos que não conflitarem entre os dois programas serão adotados pelo PT. "Levaremos adiante todas as propostas de Diniz, que fez uma campanha muito consciente. Creio que não há nada que conflite seriamente nos programas", explicou.Durante o anúncio do apoio, sobraram críticas ao atual prefeito, Leonel Damo (PV), correligionário de Chiquinho do Zaíra, que é seu secretário de governo. "Esse governo está voltando às velhas práticas do clientelismo e dos negócios de família contra os quais tanto lutamos", comentou Dias.O discurso contra o o adversário do PSB foi encampado também pelo tucano. Ele acredita que a disputa no 2º turno vai ser uma guerra. "Meu pai, que era analfabeto, falava sempre para não fugir da zoada (bagunça), mas esperar para ver o bicho. Nós vamos esperar para ver o bicho e o bicho é muito menor do que parece", disse Lopes.Para se decidir pelo apoio a Dias, ele consultou ontem todos os vereadores que concorreram por sua coligação. (PSDB/PP/PR). A aprovação ao nome do petista foi unânime.A assessoria de imprensa de Chiquinho do Zaíra informou que o candidato do PSB tem mantido contatos com o quarto colocado nas eleições, Mateus Prado (PSOL), para obter seu apoio. Em relação ao apoio do tucano ao petista, o socialista afirmou : "Não vou negociar secretarias ou cargos em troca de apoio com ninguém. Quem quiser nos apoiar o fará pelos temas relacionados ao nosso programa. Temos o mais importante apoio que é o apoio do povo e vamos vencer essa luta do bem contra o mal."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.