Tucanato paulista fará desagravo a FHC

O 7º Encontro Estadual do PSDB, que será realizado neste sábado na Assembléia Legislativa de São Paulo, pode transformar-se num ato de desagravo ao presidente Fernando Henrique, depois das acusações feitas pelo senador Antônio Carlos Magalhães. "Quem atinge o presidente, atinge o partido, e, diante disso, não vamos ficar calados, reagiremos à altura", disse o presidente do diretório estadual, deputado Édson Aparecido. "O partido deve estar mordido e com razão", disse o líder tucano na Câmara dos Deputados, Arnaldo Madeira (SP). O congresso ganha mais relevância por se realizar numa semana incomum para o PSDB: considerado o grande vencedor das eleições para as presidências da Câmara e Senado, o partido mal comemorava e já tinha uma crise nas mãos.Reagindo aos supostos benefícios obtidos pela pré-candidatura do ministro da Saúde, José Serra, à Presidência, o governador do Ceará, Tasso Jereissati, acusou os companheiros de partido de traição. Serra provavelmente estará presente ao encontro, assim como os ministros Paulo Renato (Educação), Aloysio Nunes Ferreira (Secretaria-Geral da Presidência da República) e Andrea Matarazzo (secretaria de Comunicação).Também confirmaram participação os governadores de Mato Grosso, Dante de Oliveira, e do Pará, Almir Gabriel, além de deputados federais, estaduais, vereadores e 178 prefeitos do Estado. No encontro será lançado o Manifesto da Social Democracia, uma tentativa dos tucanos paulistas de reforçar a imagem do partido como empreendedor de grandes reformas e mudanças sociais. O presidente Fernando Henrique não comparecerá, ao contrário da previsão inicial, mas mandou uma mensagem gravada que será exibida. O governador Mário Covas também não estará presente, mas será apresentado um videoclipe com imagens de suas visitas ao interior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.