TST suspeita de campanha para controle do Judiciário

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Francisco Fausto, afirmou que a ampla campanha que está sendo feita em defesa da criação de um controle externo para o Judiciário parece suspeita. Para o ministro, essa campanha indica o claro propósito de retirar do Judiciário a condição de Poder de Estado. "Todos sabemos que, se isso acontecer, a primeira medida que será tomada será passar a administração dos tribunais para as mãos de pessoas estranhas ao Direito e à Justiça", afirmou o ministro, justificando o receio de que o Judiciário venha a sofrer a interferência de políticos e do Executivo.Francisco Fausto citou o exemplo da França, onde o Judiciário não é considerado Poder e as nomeações dos funcionários são feitas pelo Ministério da Justiça. Aquele País vive hoje um movimento muito grande no sentido de tornar o Judiciário um poder de Estado, a exemplo do modelo hoje seguido pela maioria dos países da Europa."O Brasil está caminhando para trás em matéria de organização do Estado", afirmou o ministro. "Enquanto os países se modernizam em busca do regime ideal e de maior independência para o Judiciário, o Brasil discute a viabilidade de um rumo contrário, cogitando a criação de um controle para minar a liberdade para julgar da Justiça", acrescentou Francisco Fausto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.