TST quer reforma agrária em terra com trabalho escravo

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Francisco Fausto, defendeu nesta quarta-feira o confisco de terras onde há trabalho escravo como uma das maneiras de punir comrigor os responsáveis.Ele sugeriu que as fazendas confiscadas sejam utilizadas para fins de reforma agrária, como a Constituição já prevê no caso de terras onde foremlocalizadas culturas ilegais. Francisco Fausto disse que a atuação conjunta do PoderPúblico para pôr fim a essa prática criminosa deve ser reforçada com a adoção demedidas como essa."Não é possível esperar que quem explora o trabalho de um empregado em troca decomida vá recuar apenas por meio da pedagogia", disse o presidente do TST. Para ele,"é preciso agir com todo o rigor da lei diante das figuras dos capatazes e dos capitães-de-mato que ressurgiram nas fazendas como uma praga, ameaçando, torturando ecaçando os escravos em fuga".Para o presidente do TST, o momento é propício para que o Congresso Nacional aprove a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que permite o confisco de terras de proprietários de terras onde haja prática de trabalho escravo.O Poder Legislativo deve integrar-se ao esforço conjunto do Poder Executivo e do Judiciário, afirmou. O comentário do ministro sed deve às últimas fiscalizações realizadas pelo Ministériodo Trabalho e Polícia Federal e à atuação da Justiça do Trabalho e Justiça Federal quelevaram à prisão do ex-deputado Augusto Farias e a irmã Eleuza, irmãos de PC Farias,tesoureiro de campanha do ex-presidente Fernando Collor.A prisão, que durou algumas horas, foi motivada pela recente descoberta de mais de100 trabalhadores em regime semelhante ao da escravidão na Fazenda Santa Ana,localizada entre os municípios de Cumaru do Norte e Santana do Araguaia, no sul doPará, de propriedade da família Farias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.