TSE reprova contas do PT de 2005 e multa partido

Como punição, Tribunal Superior Eleitoral tirou direito aos recursos do Fundo Partidário por um mês; valor pode chegar a R$ 4 milhões

10 de abril de 2012 | 21h48

BRASÍLIA - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) reprovou nesta terça-feira, 10, as contas do PT relativas ao ano de 2005. Na época, o país era governado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é filiado ao PT. Como punição, o TSE determinou que a legenda perca o direito aos recursos oriundos do Fundo Partidário durante um mês. Os repasses recentes indicam que a sigla tem recebido cerca de R$ 4 milhões mensais.

 

Durante o julgamento, por unanimidade, os ministros do TSE concluíram que existiam várias irregularidades nas contas do PT. Entre elas, a falta de informações sobre o pagamento de uma dívida com a Coteminas, empresa da família do ex-vice-presidente José Alencar, e a inclusão de gastos com bebidas alcoólicas e pagamento de multas de trânsito, o que não é permitido pela legislação.

 

O relator do processo, ministro Gilson Dipp, afirmou que o partido foi notificado mais de uma vez para corrigir as falhas apontadas pela Coordenadoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias (Coepa). "O partido não sanou as irregularidades, mesmo com muitas oportunidades", afirmou. / Com informações da Agência TSE

Tudo o que sabemos sobre:
fundo partidáriopttse

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.