TSE nega direito de resposta a Dilma Rousseff contra jornal SC

Publicação teria divulgado frase de conteúdo ofensivo a então candidata à Presidência da República

estadão.com.br

19 de novembro de 2010 | 05h08

SÃO PAULO - A ministra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Nancy Andrighi julgou, na quinta-feira, 18, improcedente representação em que a presidente eleita Dilma Rousseff, então candidata à Presidência da República, e sua coligação, "Para o Brasil Seguir Mudando", pedem direito de resposta contra a empresa proprietária do jornal Folha SC, sua diretora Maria Aparecida Alves e seu editor Celso Machado por divulgação de suposta frase de conteúdo inverídico e ofensivo à Dilma durante a campanha eleitoral.

O jornal teria atribuído à Dilma Rousseff a autoria da frase "Nem Cristo me tira essa vitória", impressa na coluna assinada por Celso Machado. Dilma Rousseff e sua coligação sustentam que a candidata jamais disse tais palavras durante a campanha e que houve "propaganda eminentemente difamatória e negativa" com o objetivo de "degradar a honra e a imagem da candidata".

A ministra ressaltou que apesar do término das eleições 2010, ainda persiste o interesse da parte que se julgou ofendida durante o pleito e acionou a Justiça Eleitoral no sentido de rebater ou mesmo esclarecer supostas inverdades divulgadas por veículo de imprensa, rádio ou televisão na época.

Ao julgar o mérito da representação de Dilma e sua coligação, a relatora afirma, no entanto, que "a frase veiculada no periódico não tem conteúdo ofensivo, não macula a honra ou a imagem da então candidata, não interfere nem tem força para impactar negativamente o equilíbrio entre os contendores, razão pela qual, não vislumbro a hipótese de concessão de direito de resposta".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.