Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

TSE monta estrutura equiparada à das eleições, mas plenário ainda está vazio

Há 600 lugares disponíveis para o público, distribuídos entre as cadeiras do plenário, dois auditórios extras e mais 100 cadeiras instaladas no salão de entrada da corte

Rafael Moraes Moura, Beatriz Bulla, Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2017 | 09h25

BRASÍLIA - Para o julgamento da chapa de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB) marcado para começar nesta terça-feira, 4, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) montou uma estrutura equiparada à utilizada em eleições. No entanto, às 9h desta terça-feira, horário previsto para o início da sessão extraordinária, o plenário ainda estava vazio, com menos de um terço das poltronas ocupadas.

Há 600 lugares disponíveis para o público, distribuídos entre as cadeiras do plenário, dois auditórios extras e mais 100 cadeiras instaladas no salão de entrada da corte – onde foi montado um telão.

Espaços também foram reservados para a imprensa, em quantidade muito maior do que nos julgamentos habituais. Além de 20 cadeiras dentro do plenário, os jornalistas poderão usar um auditório extra.

Foram instaladas cadeiras e telão também fora do prédio para os jornalistas de televisão, que precisam fazer gravações ao vivo e fora do plenário. 

A assessoria do TSE distribuiu 200 credenciais para a cobertura do julgamento e estima que, com revezamento nos turnos dos profissionais, cerca de 400 jornalistas passem pelo Tribunal entre a sessão da manhã e a da noite.

Na área externa do TSE, foram colocadas faixas com os dizeres “Força, min Benjamin!”, em referência ao ministro Herman Benjamin (relator do processo), e “Cassação já!”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.