Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

TSE libera dados da eleição presidencial para PSDB auditar

Partido já montou equipe de trabalho para fazer a auditoria da votação eletrônica e deve apresentar relatório em 60 dias

José Roberto Castro e Letícia Sorg, O Estado de S. Paulo

07 de janeiro de 2015 | 17h30

São Paulo - O PSDB acertou nessa terça-feira, 6, com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) os últimos detalhes para a liberação dos dados das urnas da última eleição presidencial, o que deve acontecer ainda nesta quarta-feira. O partido já montou equipe de trabalho para fazer a auditoria da votação eletrônica deve começar a trabalhar na próxima semana, mais de dois meses depois de o TSE julgar o pedido feito pelo partido. A expectativa é de que um relatório final seja divulgado em 60 dias.

As informações foram confirmadas pelo advogado da legenda e coordenador dos trabalhos, Flávio Henrique Costa. Até o acordo costurado nesta semana, pessoas ligadas à equipe que vai fazer a auditoria se mostravam incomodadas com a demora na liberação dos dados pelo TSE. Segundo o advogado do PSDB, detalhes técnicos impediram que o repasse fosse feito antes.

O partido concordou com duas exigências feitas pelo presidente do TSE, Dias Toffoli: manter confidencialidade dos dados até a conclusão do processo e apresentar um plano de trabalho que inclui um relatório final fundamentado. "Nosso trabalho é, a partir dos dados do TSE, fazer verificação da operacionalização dos dados do sistema, do processo de totalização dos votos e das transmissões dos resultados pelos diversos órgãos da Justiça Eleitoral", disse Costa ao Broadcast Político.

Coordenador jurídico da campanha de Aécio e autor do pedido de auditoria, o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) diz que a revisão dos dados trará segurança para o processo eleitoral. Segundo Sampaio, há desconfiança sobre o pleito e só a auditoria poderá saná-las.

A equipe responsável pela auditoria está praticamente fechada, mas o coordenador dos trabalhos evita citar todos os integrantes porque os contratos ainda não estão assinados e os funcionários também terão de se comprometer com as exigências da Justiça Eleitoral. Mas já certo é que o escritório Opice Blum, que trabalha com o PSDB, fará parte do grupo.

Em audiência no início de novembro, o TSE rejeitou o pedido do PSDB de que fosse feita uma auditoria oficial nos dados, mas autorizou a liberação de documentos para que o partido fizesse sua própria revisão. 

Tudo o que sabemos sobre:
PSDBCarlos Sampaioeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.