TSE investiga suspeita de abuso em horas extras

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Cármen Lúcia Antunes Rocha, afirmou nesta quinta-feira que o órgão investiga as suspeitas de abusos no recebimento de horas extras por funcionários do tribunal durante o período eleitoral. Reportagem publicada na semana passada pelo jornal O Estado de S. Paulo mostrou que um grupo de servidores do TSE ganhou mais do que os próprios ministros da Corte.

MARIÂNGELA GALLUCCI, Agência Estado

24 de janeiro de 2013 | 13h29

Em novembro, por exemplo, 161 funcionários do tribunal receberam de R$ 26.778,81 a R$ 64.036,74. "Essa matéria tem sido objeto, desde outubro, de tomada de providências. Qualquer irregularidade que se apure aqui, em qualquer setor, sobre qualquer matéria, é apurada na minha administração", disse pela manhã a ministra. Até agora dois colaboradores do TSE foram exonerados e um servidor teve de devolver parte do dinheiro recebido com horas extras.

Tudo o que sabemos sobre:
TSEservidorhoras extrasCármen Lúcia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.