TSE cria projeto para eleitor votar em qualquer cidade

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Carlos Ayres Britto, apresentou hoje ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva um projeto que permitirá a todos os eleitores votarem em qualquer cidade que estiverem no dia da eleição. Por meio de um cartão eletrônico, com chip e informações digitais, o eleitor não precisará justificar o voto. Atualmente, o TSE possui informações biométricas de 43 mil eleitores de Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Rondônia. A meta é ampliar para 4 milhões ainda neste ano. O presidente do TSE pediu a Lula uma verba de R$ 250 milhões neste ano para a compra de 100 mil urnas adaptadas para o novo processo, que seriam as urnas biométricas, que reconhecem o eleitor pela digital.

LEONENCIO NOSSA, Agencia Estado

19 de março de 2009 | 11h16

Ele estima que na eleição de 2014 mais de 130 milhões de eleitores, praticamente a totalidade do eleitorado brasileiro, já votarão por esse processo. Ayres Britto explicou que o chip poderá incluir também dados da carteira de identidade, da carteira de motorista, da carteira previdenciária e outros documentos do brasileiro. "É uma revolução. É espetacular", avaliou.

O presidente Lula demonstrou entusiasmo com a proposta, segundo relato de Ayres Britto, pois trata-se de "colocar a informática a serviço do processo eleitoral, da ética, da democracia e do combate ao crime e à fraude." O presidente do TSE observou que a Polícia Federal já trabalha num projeto de registro único e que o TSE fará um convênio com a PF para agilizar e facilitar a mudança. "Isso significa mais um passo para a autenticidade do processo democrático", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
TSEeleiçõesurna biométrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.