TSE concede registro e PSD poderá disputar eleições em 2012

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concedeu nesta terça-feira registro ao Partido Social Democrático, idealizado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, o que permitirá à nova sigla disputar as eleições municipais do ano que vem.

REUTERS

27 de setembro de 2011 | 21h46

Em uma rápida votação, a decisão foi tomada por 6 votos a 1 e coloca ponto final, ao menos no âmbito da Justiça Eleitoral, a um processo marcado por suspeitas --levantadas pelo DEM-- sobre a legitimidade de assinaturas colhidas para o pedido de registro e contestações sobre o nome do novo partido, já que uma legenda homônima foi incorporada pelo PTB em 2002.

A relatora do caso, ministra Nancy Andrighi, considerou que o partido provou ter conseguido mais que as cerca de 491 mil assinaturas exigidas por lei, e foi acompanhada por cinco ministros: Marcelo Ribeiro, Teori Zavascki, Arnaldo Versiani, Cármen Lúcia e o presidente do TSE, Ricardo Lewandowski.

"Eu analisei de maneira individual todas as certidões dos cartórios eleitorais e dos TREs (Tribunais Regionais Eleitorais)", afirmou a relatora na quinta-feira sobre os documentos apresentados pela legenda ao TSE.

"Eu julgo improcedentes as impugnações e defiro o pedido de registro do Partido Social Democrático (PSD)", afirmou ela, referindo-se a pedidos de impugnação do registro feitos pelo DEM e pelo PTB.

Apenas o ministro Marco Aurélio Mello, dos sete integrantes do tribunal, votou contra.

"Aprendi desde cedo que é muito difícil consertar o que começa errado e sempre tive presente que no Direito, com princípios, institutos, o meio justifica o fim, mas não o fim ao meio e que a segurança jurídica é o preço módico que pagamos inclusive para viver em um Estado democrático de direito", disse o ministro durante o voto, questionando a forma com que foi criada a nova sigla.

O Ministério Público Eleitoral também se manifestou contra o registro da legenda por conta das suspeitas em relação à coleta de assinaturas.

Segundo a assessoria de imprensa do DEM, o partido deve questionar no Supremo Tribunal Federal a forma como o registro ao PSD foi concedido.

O julgamento da criação do partido foi iniciado na última quinta-feira, mas um pedido de vista do ministro Marcelo Ribeiro adiou a decisão para esta terça-feira.

A data limite para o registro de um novo partido que queira concorrer nas eleições municipais de 2012 é 7 de outubro, um ano antes do pleito.

O DEM é o partido que mais perdeu membros para o PSD, que também recebeu adesões de integrantes de PSDB, PPS, PMN entre outros.

A sigla será presidida por Kassab, uma das principais lideranças do DEM até decidir fundar o PSD, e, embora o prefeito paulistano tenha afirmado que o partido terá postura independente em relação ao Planalto, analistas ouvidos pela Reuters acreditam em alinhamento do PSD com o governo da presidente Dilma Rousseff.

A legenda deve nascer com 50 deputados, o que a deixará com a quarta maior bancada na Câmara.

A senadora Kátia Abreu (TO), os governadores Raimundo Colombo (SC) e Omar Aziz (AM), o deputado Paulo Bornhausen (SC) e vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, também fazem parte da nova legenda.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Mais conteúdo sobre:
POLITICAPSDREGISTRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.