TSE concede liminar para governador da PB ficar no cargo

Decisão vale até o julgamento; Cunha Lima é acusado de usar programa social em troca de votos

01 de agosto de 2007 | 20h17

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concedeu nesta quarta-feira, 1º, por unanimidade, liminar (decisão provisória) que permite ao governador da Paraíba Cássio Cunha Lima (PSDB) permanecer no cargo até que o processo seja julgado em definitivo. Cunha Lima teve o mandato cassado na última segunda-feira por decisão do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB).   O governador é acusado de compra de votos e foi responsabilizado pela distribuição de 35 mil cheques de R$ 150,00 e R$ 200,00 na campanha eleitoral do ano passado para pessoas carentes. No entendimento dos juízes do TRE paraibano, a distribuição de cheques da Fundação de Ação Comunitária (FAC)- órgão do Governo do Estado - se caracterizou em abuso do poder político e econômico, além de conduta vedada aos agentes Públicos.   Em entrevista, Cunha Lima afirmou que só foi cassado porque fez uma opção preferencial pelos pobres. "É por causa da opção prioritária pelos mais pobres que estamos enfrentando esses obstáculos", declarou o governador cassado, acrescentando que a decisão do TRE não o preocupa e que ele dormiu, na madrugada de ontem, "com a tranqüilidade dos inocentes e a segurança dos justos". E não cogitou renunciar ao mandato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.