Brasília, 31 - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, considerou há pouco que a abstenção de 21,18% dos eleitores neste segundo turno está dentro da normalidade. "Não me parece que seja um número muito significativo, preocupante, pois os eleitores compareceram (às urnas)", disse. "O índice está dentro da normalidade. Não macula o resultado final das eleições, pois 100 milhões de brasileiros compareceram às urnas. É algo do que podemos nos orgulhar", continuou.

31 de outubro de 2010 | 21h11

No primeiro turno, a abstenção foi de 18,1%. De acordo com Lewandowski, tradicionalmente entre o primeiro e o segundo turno há aumento de abstenção. "A Justiça Eleitoral estava preocupada", admitiu o ministro, citando a confluência de uma série de fatores que poderiam afastar o eleitor, como feriado, condições climáticas adversas em vários Estados e até seca.

Lewandowski descartou, no entanto, a possibilidade de alteração da data a ser realizada o segundo turno, pois foi fixada pela Constituição. Ele cogitou, porém, a possibilidade de deslocamento do feriado. Além disso, o ministro comentou sobre a hipótese dos eleitores de Marina Silva, candidata do PV que ficou fora do segundo turno, não terem querido participar do pleito neste domingo. "Esta é uma especulação que também queremos fazer." Ele evitou falar sobre a troca de acusações entre os dois candidatos que participaram da segunda rodada. "Não quero supervalorizar troca de farpas na eleição", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.