"Troco a posição confortável pelo risco de mais uma batalha", diz Serra

O prefeito de São Paulo, José Serra, anunciou nesta sexta-feira que vai disputar o governo do Estado. Ele já enviou à Câmara Municipal a carta na qual renuncia ao cargo de prefeito de São Paulo, que será transmitido ao seu vice, Gilberto Kassab, do PFL. "Troco a posição confortável pelo risco de mais uma batalha", afirmou ao formalizar sua candidatura. PromessaSerra justificou sua decisão de deixar a Prefeitura de São Paulo para concorrer ao governo do Estado pela mudança no quadro político nacional e pelas circunstâncias que se formaram em torno de sua vida pública. Ele insistiu que não faltou com a verdade ao prometer que permaneceria na Prefeitura até o final de seu mandato, pois naquele momento este era seu real sentimento. "Naquele momento, quando me perguntaram, eu disse a verdade", afirmou o prefeito, na entrevista coletiva que concedeu no Palácio de Convenções do Anhembi. "Não disse nada que não correspondesse ao que eu pensava", acrescentou.De acordo com Serra, uma série de acontecimentos mudou o País nos últimos meses, ao mesmo tempo em que pesquisas de opinião mostravam que sua candidatura ao governo era a vontade da população neste momento. Ele disse ainda que a convicção de que o rumo da Prefeitura já está traçado permitiu que optasse por se desincompatibilizar do cargo. Serra insistiu ainda que esta não foi uma decisão fácil. "Esta é uma opção de sacrifício mais do que uma opção de conforto", afirmou.FortalecerSerra disse ainda que ao aceitar concorrer ao governo do Estado, ajuda a criar condições para fortalecer o governador Geraldo Alckmin na sucessão presidencial. "Este trabalho representa a melhor maneira para que o País se engaje com Geraldo Alckmin", reiterou.Perguntado sobre a insistência do vereador José Aníbal em manter sua pré-candidatura ao governo estadual, Serra se mostrou totalmente despreocupado. "Eu não tenho problema", disse o prefeito, insistindo que só aceitou ser candidato porque foi procurado por quase a totalidade da legenda, diferente do que ocorreu quando demonstrou interesse em disputar a corrida presidencial. Serra aproveitou a oportunidade para fazer alguns ataques à ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy, sua provável adversária na corrida estadual. Ao comentar a possibilidade de sua saída da Prefeitura ser usada como arma eleitoral, Serra destacou: "Quem fez aquela barbaridade nos túneis dos Jardins não tem moral para falar neste assunto", acusou. Colaboraram Clarissa Oliveira e Thiago Velloso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.