Troca de bebês em hospital da Bahia tem final feliz

A troca de bebês ocorrida há dois meses na Casa de Saúde Santana, na cidade de Feira de Santana, a 108 quilômetros da Salvador, acabou unindo as duas famílias envolvidas. Os pais "falsos" serão padrinhos de Mateus e Aline, as crianças trocadas. "Foi um caso que começou ruim e acabou bem", disse o médico Angelo Mário Carvalho e Silva, um dos diretores da Casa de Saúde. Silva pagou o exame de DNA dos dois bebês e contratou uma psicóloga para acompanhar a devolução das crianças aos pais verdadeiros, marcada para amanhã. O médico também ficou de providenciar a retificação das certidões de nascimento.Quem primeiro desconfiou do erro foi a dona de casa Agnacelma de Jesus, casada com um comerciário. Durante a gravidez, exames de ultrassonografia mostraram a ela que seu bebê era do sexo masculino. No dia do parto, Agnacelma não viu o filho. Quando chegou em casa surpreendeu-se ao saber que tinha dado à luz a uma menina, chamada de Aline. Como conheceu a mãe do outro bebê, Elaine Silva Alves, no mesmo hospital, decidiu procurá-la para falar da suspeita. Elaine havia ficado com o filho de Agnacelma, Mateus.As duas famílias procuraram a direção do casa de saúde, que aceitou realizar exames de DNA num laboratório de Belo Horizonte. O resultado chegou nesta segunda-feira confirmando as suspeitas de Agnacelma. Elas iriam trocar os bebês hoje mesmo, mas pediram um dia para se despedirem das crianças. Para não perder contato, as famílias decidiram preservar os nomes dos bebês nas novas certidões de nascimento. Além disso, Agnacelma e o marido serão padrinhos de Aline, sua filha "falsa", e Elaine e seu esposo os padrinhos de Mateus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.