Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Triplex atribuído a Lula pela Lava Jato será sorteado na internet

Com menos de vinte reais, é possível participar do sorteio; Fernando Gontijo, empresário que arrematou o imóvel em um leilão, espera grande adesão do público

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2021 | 11h55

Após arrematar o triplex do Guarujá em um leilão em 2018, o empresário Fernando Gontijo pretende sortear o imóvel pela internet em março de 2022. O apartamento foi peça-chave para primeira a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pelo então juiz Sérgio Moro no âmbito da Operação Lava Jato. 

Ao Estadão, o empresário afirmou ter fechado parceria com uma empresa para fazer uma campanha promocional com o sorteio de diversos itens — como automóveis e TVs — ao longo dos próximos meses, sendo que o prêmio máximo será o triplex. Gontijo explica que pessoas de qualquer classe social podem concorrer na empreitada mediante uma assinatura mensal de R$ 19,99 na plataforma Pancadão, escolhida para realizar o sorteio.

“Sempre tive em mente que este imóvel tem particularidades em relação a um apartamento comum, com precificação por metro quadrado”, disse o empresário. “Ele tem características que o diferenciam de todos os outros porque faz parte da história do Brasil”. 

Segundo Gontijo, o valor a ser arrecado pelo sorteio ainda é uma incógnita, mas a expectativa é que a adesão seja expressiva pela curiosidade que o empreendimento desperta. “Há um marketing espontâneo agregado pelas particularidades do imóvel”, afirmou. O sorteio foi revelado pelo jornal Folha de São Paulo.

De propriedade atribuída ao ex-presidente Lula, o triplex do Guarujá levou à condenação do líder petista a nove anos e seis meses de prisão em julho de 2017. Este ano, a sentença foi anulada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que não reconheceu a competência da 13ª Vara Federal de Curitiba para os processos envolvendo o ex-presidente. Na semana passada, o Ministério Público Federal reconheceu a prescrição do caso e se manifestou à Justiça Federal de Brasília pelo arquivamento da ação contra o petista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.