Tribunal pode julgar ação da CUT-DF para afastar Prudente

Entidade afirma que deputado não tem isenção necessária para julgar processo de impeachment de Arruda

estadao.com.br,

14 de janeiro de 2010 | 12h51

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) pode julgar nesta quinta-feira, 14, uma ação movida pela CUT do Distrito Federal para pedir o afastamento do deputado Leonardo Prudente (sem partido) da presidência da Câmara Legislativa do Distrito Federal e dos trabalhos que envolvem o processo de impeachment de José Roberto Arruda (sem partido). Prudente foi flagrado em vídeo colocando dinheiro de suposto esquema de corrupção na meia.

 

Veja também:

link Arruda é vaiado em reunião de governadores no Itamaraty

link MP quer impedir deputados de analisar denúncia contra Arruda

 

A CUT afirma que o deputado, que reassumiu a presidência da Câmara nesta semana após um período de afastamento voluntário, não garante a imparcialidade e a isenção para julgar o processo de impeachment de Arruda. Cícero Rola, secretário-geral da instituição, acredita que a atual configuração das comissões montadas na Câmara Legislativa vai proteger o governador, pois estas são compostas por uma maioria da base governista.

 

"Não temos a menor expectativa de que haja uma apuração isenta nos processos de impeachment do governador na Câmara Legislativa, pois os envolvidos estão à frente de comissões importantes. Com isso, as manifestações vão continuar", disse Rola.

 

Prudente é acusado com outros nove deputados distritais de envolvimento no esquema de corrupção conhecido como "Mensalão do DEM", supostamente comandado pelo governador Arruda, segundo inquérito instaurado a partir das investigações feitas pela Polícia Federal na Operação Caixa de Pandora.

 

A CUT do Distrito Federal faz parte do movimento "Fora Arruda", que vem realizando protestos para pedir a saída do governador. Eles prometem realizar no próximo domingo, 17, uma manifestação em frente à casa de um dos parlamentares envolvidos no esquema de corrupção.

 

Na quarta-feira, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios havia entrado com ação civil pública para impedir que os deputados distritais suspeitos de participar do esquema de corrupção na capital analisem os pedidos de impeachment do governador que tramitam na Câmara Legislativa.

 

Com informações da Agência Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.