DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Tribunal negocia aquisição de coletes à prova de bala

Seriam comprados 56 coletes balísticos para 'uso oculto', mas licitação não foi concluída porque preço ofertado estava acima do previsto no edital

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Além de rever a quantidade de seguranças à disposição dos ministros e familiares, o Supremo Tribunal Federal negocia a compra de um lote de coletes à prova de bala para uso dissimulado, sob a roupa social. A Corte realizou pregão eletrônico na quarta-feira passada, mas não conseguiu concluir a aquisição porque os preços ofertados estavam acima do previsto em edital. Quatro empresas entraram na disputa. A Corte não conseguiu negociar a redução do valor com nenhuma delas, e a licitação foi cancelada.

+++Fachin afirma que família tem recebido ameaças

+++Procuradores cobram investigação sobre ameaças a Fachin e tiros na caravana de Lula

Ao todo, seriam comprados 56 coletes balísticos para uso oculto – apenas um deles é modelo feminino. O valor total estimado é de R$ 46 mil. Os custos unitários variam de R$ 742,19 a R$ 1.169,76. Os coletes devem ser resistentes a disparos de projéteis de arma de fogo calibre .44 e 9 mm, de alta velocidade.

+++STF reforça segurança de Fachin e reduz agentes em SP e no Rio

+++Supremo autoriza reforço da escolta permanente de Fachin

O Estado questionou nesta segunda-feira, 14, a assessoria de imprensa do STF se uma nova tentativa de compra seria realizada e se os ministros poderiam fazer uso dos coletes. A Corte disse que não conseguiria responder a tempo. O edital do pregão não deixa claro quem seriam os usuários, mas faz referência à mobilidade de “agentes” vestidos com os coletes ocultos.

+++91% dos deputados alvo da Lava Jato vão disputar a eleição

O setor responsável pela compra é a Seção de Segurança Pessoal de Dignitários, responsável pela escolta dos 11 ministros e pelos contratos do setor, entre eles os de segurança pessoal privada armada. Os coletes devem passar por testes de servidores do setor. Por padrão, os contratos com empresas terceirizadas que fornecem vigilantes e seguranças do Supremo já incluem acessórios e uniformes para os seguranças, entre eles coletes balísticos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.