Paulo de Araújo
Paulo de Araújo

Tribunal de Contas do DF condena Durval Barbosa a devolver R$ 9 milhões

O valor é referente aos recursos desviados de contratos firmados por Barbosa quando ele era diretor da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) com a empresa Prodata Tecnologia e Sistemas Avançados

Gustavo Aguiar, O Estado de S. Paulo

09 Novembro 2015 | 19h10

Brasília - O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) condenou Durval Barbosa, ex-delegado e pivô do escândalo do mensalão do DEM, a devolver R$ 9,3 milhões aos cofres públicos. A decisão foi publicada nesta segunda-feira, 9, no Diário Oficial do Distrito Federal. 

O valor é referente aos recursos desviados de contratos firmados por Barbosa quando ele era diretor da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) com a empresa Prodata Tecnologia e Sistemas Avançados. Em uma auditoria para verificar a regularidade dos contratos, o TCDF apontou que a Codeplan pagou pelo desenvolvimento de programas de computador sem que houvesse qualquer comprovação da execução dos serviços de informática. 

Além de Durval Barbosa, foram responsabilizadas outras nove pessoas e também empresa de tecnologia contratada. Eles têm um prazo de 30 dias para recolher em conjunto o valor atualizado monetariamente.

Em acordo de delação premiada com a Polícia Federal durante a operação Caixa de Pandora, em 2009, Durval denunciou um esquema de corrupção envolvendo o alto escalão do Governo do DF e que culminou na cassação do ex-governador, José Roberto Arruda, e de seu vice, Paulo Octávio. Em abril deste ano, a 7ª Vara Criminal do Distrito Federal recebeu denúncia contra 19 acusados de envolvimento no esquema de corrupção. 

Mais conteúdo sobre:
DEM Polícia Federal José Roberto Arruda

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.