Paulo de Araújo
Paulo de Araújo

Tribunal de Contas do DF condena Durval Barbosa a devolver R$ 9 milhões

O valor é referente aos recursos desviados de contratos firmados por Barbosa quando ele era diretor da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) com a empresa Prodata Tecnologia e Sistemas Avançados

Gustavo Aguiar, O Estado de S. Paulo

09 de novembro de 2015 | 19h10

Brasília - O Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) condenou Durval Barbosa, ex-delegado e pivô do escândalo do mensalão do DEM, a devolver R$ 9,3 milhões aos cofres públicos. A decisão foi publicada nesta segunda-feira, 9, no Diário Oficial do Distrito Federal. 

O valor é referente aos recursos desviados de contratos firmados por Barbosa quando ele era diretor da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) com a empresa Prodata Tecnologia e Sistemas Avançados. Em uma auditoria para verificar a regularidade dos contratos, o TCDF apontou que a Codeplan pagou pelo desenvolvimento de programas de computador sem que houvesse qualquer comprovação da execução dos serviços de informática. 

Além de Durval Barbosa, foram responsabilizadas outras nove pessoas e também empresa de tecnologia contratada. Eles têm um prazo de 30 dias para recolher em conjunto o valor atualizado monetariamente.

Em acordo de delação premiada com a Polícia Federal durante a operação Caixa de Pandora, em 2009, Durval denunciou um esquema de corrupção envolvendo o alto escalão do Governo do DF e que culminou na cassação do ex-governador, José Roberto Arruda, e de seu vice, Paulo Octávio. Em abril deste ano, a 7ª Vara Criminal do Distrito Federal recebeu denúncia contra 19 acusados de envolvimento no esquema de corrupção. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.