Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Tribunal adia julgamento de Maluf na França

Ex-prefeito de São Paulo iria a julgamento nesta sexta-feira na corte francesa sob acusação de ter lavado US$ 1,7 milhão no país europeu, mas defesa conseguiu prorrogar processo que só deve ser retomado em setembro

Lúcia Müzell, especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

13 de março de 2015 | 13h11

Paris - O Tribunal de Grande Instância de Paris adiou para setembro a sessão que marcaria o início do julgamento do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP), acusado do crime de lavagem de dinheiro em grupo organizado na França. A primeira audiência estava marcada para a tarde dessa sexta-feira, 13. O tribunal acatou o requerimento apresentado pelos advogados do parlamentar, no qual contestam questões processuais.

O procurador regional da República Wellington Cabral Saraiva está em Paris para acompanhar o caso. Na quinta, ele foi informado sobre o adiamento da audiência pelo procurador francês encarregado do processo. Os dois terão uma reunião nesta tarde para discutir sobre a troca de informações entre o Ministério Público dos dois países até a retomada do julgamento.

Segundo Saraiva, o defensor de Maluf em Paris alega que, como o réu foi absolvido no Brasil, ele não poderia condenado pelo mesmo crime na França. O tribunal francês acatou o pedido e concedeu mais prazo para a preparação do processo. 

"É uma decisão um pouco frustrante, afinal esperávamos que o processo acontecesse desde agora. Mas ela é tecnicamente compreensível", disse Saraiva ao Estado. "Se o réu coloca um fato relevante, é normal o tribunal considerá-lo."

Maluf foi detido em 2003  suspeito de enviar ilegalmente em uma conta do banco Crédit Agricole da capital francesa quase US$ 1,7 milhão para o país europeu. O valor pode ter sido desviado dos cofres municipais de São Paulo, na época em que ele era prefeito da cidade. A esposa e o filho do deputado, Sylvia Lutfalla Maluf e Flávio Maluf, também são réus no processo.  

O procurador destacou que "não é só no Brasil que a Justiça é lenta", ainda mais na análise de um caso de lavagem internacional de dinheiro. O Ministério Público Federal deseja trazer o procedimento penal para o Brasil e quer agilizar a repatriação do dinheiro da família Maluf bloqueado na França. 

Se for condenado pelo tribunal parisiense, o parlamentar pode pegar até 10 anos de prisão e ter de pagar mais de R$ 2,5 milhões em multas. 

Tudo o que sabemos sobre:
Paulo MalufFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.