TRF restabelece horário de verão em Goiás

O presidente do Tribunal Regional Federal (TRF) do Distrito Federal, Fernando Tourinho Neto, cassou a liminar que suspendia o horário de verão no Estado de Goiás. Com isso, a população daquele Estado deverá adiantar o relógio em uma hora no primeiro minuto do próximo domingo. Já o presidente do TRF de Pernambuco, desembargador Geraldo Apoliano, deve decidir na sexta-feira sobre pedido de cassação da liminar concedida pela Justiça Federal do Estado do Ceará. A Advocacia-Geral da União (AGU) acredita que Apoliano irá decidir em favor do governo, o que manteria o horário especial em toda região Nordeste.Esta será 16ª edição consecutiva do horário de verão, com duração de 126 dias, englobando os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Maranhão e Distrito Federal. Na última edição do horário especial, a região Nordeste - exceto o Estado da Bahia - foi excluída do horário de verão. Mudança O deputado federal Sérgio Novais (PSB-CE), autor da ação que tenta suspender o horário de verão no Ceará, disse que a economia de energia elétrica conseguida com o horário especial é insignificante para o tamanho do desgaste que a mudança traz à população. Coube ao juiz da 7ª Vara Federal, de Fortaleza, Francisco das Chagas Fernandes, decidir pela retirada daquele Estado do horário especial de verão. Em Goiás, a liminar foi dada pela juíza da 4ª Vara Federal, Ionilda Maria Carneiro Pires, na ação proposta pelo deputado federal Luiz Bitencourt (PMDB-GO). A AGU argumentou, nos pedidos de suspensão dos efeitos das duas liminares, que a crise do setor energético, que levou o governo federal a colocar em prática o plano de racionamento, consiste "de situação extraordinária que exige a prudência de todos em prol de se evitar os denominados apagões programados de energia". No pedido encaminhado ao TRF de Pernambuco, a AGU lembrou que o desembargador federal Geraldo Apoliano, encarregado de julgar o pedido do governo, já se manifestou favorável ao horário de verão. No ano passado, segundo a AGU, Apoliano teria decretado a suspensão de liminar que impedia a hora especial no Ceará. EconomiaOs relógios serão adiantados em uma hora a partir do primeiro minuto deste domingo, dia 14 de outubro. Relatório da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informa que um dos objetivos da mudança é o melhor aproveitamento da luz natural. Isso permite que a população venha a fazer uso da luz elétrica mais tarde do que o horário habitual, o que reflete também na diminuição do consumo de energia. Segundo a agência reguladora, a última edição do horário de verão permitiu uma redução da demanda de eletricidade de 4,4% no período de ponta, entre 18h e 22h, ou seja 2260 Megawatts-hora (MWh). Porém, a economia ficou em apenas 0,9%, equivalente a 430.920 MWh. No sistema integrado que compreende as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste a redução da demanda ficou em 2.220 MWh, o que significa a metade de eletricidade demandada por São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.