TRF ainda deve julgar pedido contra Bové

A presidente da Turma Especial de Férias do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4a Região, juíza Maria Lúcia Luz Leiria, deve se manifestar no final da tarde de hoje sobre o mandado de segurança apresentado ontem à noite pela Advocacia Geral da União (AGU) para tentar reverter o habeas-corpus concedido ao líder camponês francês José Bové. A juíza recebeu o pedido hoje, após determinação do presidente da corte, Fábio Bittencourt da Rosa. Ele havia recebido ontem à noite o mandado, em regime de plantão. Como o presidente avaliou que não se tratava de um caso para ser analisado em plantão, determinou sua redistribuição hoje, no horário normal.No mandado de segurança, a AGU alega que o ativista francês apresentou "conduta nociva à ordem pública" quando participou da destruição de lavoura da Monsanto em Não-Me-Toque (RS). O habeas-corpus tinha sido concedido pelo juiz federal substituto da 2a Vara Criminal de Porto Alegre, Ricardo Humberto Silva Borne, acolhendo pedido de quatro advogados.Eles ingressaram com o habeas-corpus para suspender a notificação da Polícia Federal a Bové. A PF havia concedido prazo de 24 horas para que o líder da Confederação Camponesa deixasse o Brasil. A decisão do TRF deverá sair poucas horas antes do embarque do ativista para a França. Ele já está no aeroporto Salgado Filho, na capital gaúcha, onde irá embarcar no vôo 3969 da TAM, às 16h15, com destino a São Paulo. Na capital paulista, deverá embarcar no vôo 0455, às 21h15, da Air France, para retornar à França. No aeroporto gaúcho, Bové circula como uma celebridade. Cercado por jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas, o líder camponês é procurado a todo o instante por pessoas que buscam um autógrafo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.