Três são presos por suposto crime eleitoral no RS

Três pessoas foram presas na tarde de ontem no interior do Rio Grande do Sul distribuindo cestas básicas em um caminhão com adesivos da campanha do candidato à Presidência pelo PSDB, José Serra. O crime eleitoral foi flagrado no município de Coxilha, vizinho a Passo Fundo, a 280 quilômetros de Porto Alegre.

LUCAS AZEVEDO, Agência Estado

22 de outubro de 2010 | 15h52

 

Uma denúncia foi recebida pela promotoria eleitoral através de um telefonema, em que foi narrado que o caminhão teria saído de Passo Fundo em direção ao bairro Cohab, em Coxilha. No caminhão teriam cestas básicas para a compra de voto.

 

O Ministério Público (MP) alertou o batalhão da Polícia Rodoviária da Polícia Militar do município, que fez a vistoria e confirmou a presença do carregamento e a entrega da mercadoria. Uma mulher de 51 anos, e dois homens, de 30 e 41 anos, foram presos em flagrante e conduzidos à Polícia Federal (PF) de Passo Fundo. A primeira alegação dos acusados foi de que os alimentos eram para entregar a uma pessoa que realizaria obras de assistência social.

 

"A justificativa é bem frágil. Seria entrega de uma encomenda. Só que o caminhão possuía várias faixas identificando a candidatura. No entender do MP está perfeitamente caracterizado crime do artigo 299 do Código Eleitoral, que é dar vantagem a alguém em troca de voto", segundo o promotor da Justiça Eleitoral Paulo Cirne, da 33ª zona Eleitoral de Passo Fundo.

 

A PF deve remeter ao MP o inquérito, que fará uma denúncia contra os presos por crime eleitoral. A pena é de até quatro anos de reclusão mais pagamento de multa. Caso não tenham antecedentes, eles podem receber algumas condições da Justiça para cumprirem a pena em liberdade, como prestação de serviços comunitários por dois anos.

 

De acordo com o promotor, com a evolução da investigação, outras pessoas podem ser denunciadas. Falta identificar quem adquiriu os alimentos, quem financiou sua compra e a mando de quem as mercadorias foram entregues, segundo Cirne.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.