Três assessores do ministro Gil pedem demissão

Três assessores do Ministério da Cultura pediram afastamento hoje, em protesto contra a demissão do secretário de Desenvolvimento de Programas e Projetos da pasta, Roberto Pinho. São eles, a presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Maria Elisa Costa, filha do fundador da instituição, Lúcio Costa; o coordenador do Projeto Monumenta, Marcelo Ferraz, e o assessor especial do ministro Gilberto Gil, o poeta Antônio Risério, seu companheiro de tempos anteriores ao Tropicalismo.Segundo Ferraz, a demissão é um protesto também contra a concentração de poder nas mãos do secretário executivo do MinC, Juca Ferreira, e contra a pouca atenção que Gil deu à preservação do patrimônio cultural do País. Juca Ferreira disse que o afastamento dos três não surpreendeu, já que eles eram muito próximos entre si e também de Pinho, mas ressaltou que a insatisfação de Gil com a omissão deles diante da questão do patrimônio já se manifestou em outras ocasiões.Os três divulgaram uma carta em que criticam a gestão do compositor e explicam as causas de saída. ?O cotidiano rasteiro da politicagem e da intriga faz as suas cobranças. E pode investir para tentar destruir pessoas grandiosas. Pessoas preciosas, como é, para nós, o companheiro Roberto Pinho. O que está sendo feito com ele nos deixa perplexos?, diz o documento. ?A deslealdade, a mesquinharia na disputa pelo poder, a ignorância, o descaso por tudo aquilo que é social e culturalmente mais importante e profundo, nos afastam agora deste Ministério.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.