Três acusados de assassinarem integrantes do MST são soltos

Três acusados de participação no assassinato de cinco integrantes do Movimento dos Sem-terra (MST), em Felisburgo (MG), foram soltos na tarde de hoje por determinação da juíza Célia Maria Andrade Corrêa, titular da Comarca de Jequitinhonha. Francisco de Assis Rodrigues de Oliveira, Milton Francisco de Souza, e Admilson Rodrigues Lima responderão ao processo em liberdade. Eles haviam sido presos horas depois da chacina, ocorrida no dia 20 de novembro, no acampamento Terra Prometida. Apenas o fazendeiro Adriano Chafik Luedy - acusado de ser o mentor intelectual e material dos crimes -, 37 anos, e o vaqueiro Washington Agostinho da Silva, 31 anos, permanecem presos. Dez outros denunciados, que tiveram prisão preventiva decretada pela Justiça, estão foragidos.Os cinco acusados prestaram depoimento ontem, no Fórum de Jequitinhonha. O fazendeiro e Washington afirmaram que Francisco, Milton e Admilson não tiveram participação na morte dos sem-terra e que não estiveram no acampamento do MST no dia dos crimes. Os três - apontados como pistoleiros - foram denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE), com base no inquérito da Polícia Civil, por homicídio qualificado e tentativa de homicídio."Mas há indícios fortes de que eles não participaram e, nesse caso, a prisão torna-se ilegal pelo princípio constitucional da inocência", disse a juíza, justificando sua decisão de conceder liberdade provisória aos acusados. "Isso não quer dizer que na conclusão do processo eles não possam ser condenados", ponderou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.