TRE-RJ mantém filha de Garotinho no cargo de vereadora

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) rejeitou na noite de ontem ação ingressada pelo PMDB e manteve a parlamentar Clarissa Garotinho (PR) no cargo de vereadora. Por unanimidade, os juízes da corte concluíram que a filha do ex-governador Anthony Garotinho (PR) foi perseguida quando filiada ao PMDB, um dos fatores considerados legítimos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que um político troque de legenda. Os peemedebistas requeriam na Justiça Eleitoral o mandato da parlamentar sob argumento de infidelidade partidária. Cabe recurso ao TSE.

AE, Agência Estado

24 de agosto de 2010 | 16h47

Na decisão, os magistrados destacaram que Clarissa ingressou no PR em 2008 após ter sido pressionada a deixar o PMDB. A vereadora, eleita no mesmo ano, foi afastada da liderança da bancada da sigla na Câmara Municipal da capital fluminense e da Presidência Regional da Juventude do PMDB.

A perseguição teria sido motivada por desavenças entre Anthony Garotinho e Sérgio Cabral, atual governador do Rio pelo PMDB. O conflito entre os dois levou o pai da vereadora a deixar a sigla em 2009, ingressando no mesmo ano no PR. No seu blog, Garotinho avaliou que a decisão "faz justiça com Clarissa".

Tudo o que sabemos sobre:
TRERiofilhaAnthony Garotinhovereadora

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.