TRE irá apurar possível suborno a juízes no caso Roriz

Suborno seria para juízes votarem a favor do senador em processo que pedia cassação do registro da candidatura de Joaquim Roriz por propaganda ilegal

Agencia Estado

03 de julho de 2007 | 14h47

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Distrito Federal, desembargador Otávio Augusto Barbosa, divulgou uma curta nota oficial nesta segunda-feira, 2,em referência à denúncia de que dois integrantes do tribunal teriam recebido propina para a votar, em um processo, a favor do ex-governador e atual senador do PMDB Joaquim Roriz (DF). A nota anuncia a adoção das "providências de rigor necessárias no caso de serem efetivamente verificados desvios de conduta de membros desta Corte". A nota do desembargador não esclarece o tipo de investigação que será feita sobre o suposto pagamento de propina. Segundo reportagem da revista Veja, os R$ 2,2 milhões que Roriz teria tomado emprestados do empresário Nenê Constantino teriam sido usados para pagar propina a dois juízes do TRE, que teriam garantido a absolvição de Roriz. No processo, adversários pediam a cassação do registro da candidatura de Roriz ao Senado por propaganda ilegal. O julgamento foi feito em duas etapas e chegou a ficar empatado em três votos a três, mas o desembargador José Luiz Cunha, que já havia votado contra Roriz, mudou seu voto, o que foi decisivo para absolver o senador.O presidente do TRE e o desembargador José Luiz Cunha participaram nesta segunda de sessão no Tribunal Regional Eleitoral, mas não quiseram dar entrevistas sobre o assunto. Segundo a nota de Otávio Augusto Barbosa, cópias do processo contra Roriz já estão à disposição do Ministério Público Federal, ao qual caberá decidir qual o procedimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.