André Borges/Estadão
André Borges/Estadão

TRE investiga Zveiter em caso de compra de voto

Inquérito apura se o deputado teve participação em um suposto esquema de compra de votos nas eleições de 2014

Constança Rezende, O Estado de S. Paulo

10 Julho 2017 | 03h00

Relator da denúncia de corrupção contra o presidente Michel Temer, o deputado federal Sergio Zveiter (PMDB-RJ) é investigado por crime de corrupção eleitoral. O inquérito que tramita no Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE) apura se o deputado teve participação em um suposto esquema de compra de votos nas eleições de 2014.

A Procuradoria Regional Eleitoral pediu a abertura do inquérito depois que o empresário Paulo Henrique Almeida foi autuado em flagrante em São Fidelis, no norte fluminense. Almeida foi preso sob acusação de comprar votos para o então candidato a deputado estadual Thiago Pampolha (PDT). Pampolha se diz inocente e Almeida não foi localizado pelo Estado.

O nome de Zveiter apareceu quando, em uma das buscas a endereços ligados a Almeida, a polícia encontrou 5.501 santinhos eleitorais do deputado federal, cópias de títulos de eleitor e R$ 1.189. 

Em outra investigação sobre o mesmo episódio, que não apurou a participação de Zveiter, Pampolha foi inocentado. Mas o inquérito do TRE sobre a participação de ambos prosseguiu.

Em fevereiro, os juízes do TRE entenderam que o inquérito deveria ser enviado ao Supremo Tribunal Federal, por se tratar de um deputado federal. Zveiter, porém, entrou com recurso e pediu o arquivamento da investigação. Segundo sua assessoria, ele “ingressou espontaneamente” no inquérito para requerer o arquivamento. Em 23 de junho, o vice-procurador-geral eleitoral Francisco de Assis Vieira Sanseverino pediu o prosseguimento do inquérito no TRE e o seu envio ao STF. O recurso de Zveiter e a manifestação do vice-procurador estão no gabinete do ministro Luiz Fux. 

Mais conteúdo sobre:
Michel TemerSergio Zveiter

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.