TRE-DF nega direito de resposta a Agnelo Queiroz no programa de Weslian Roriz

Na propaganda da mulher de Joaquim Roriz, padre aparecia pedindo a fiéis que não votassem em Dilma pois seu partido seria a favor do aborto

Carol Pires/BRASÍLIA, Estadão.com.br

13 de outubro de 2010 | 20h22

O Desembargador Federal Moreira Alves, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) negou, nesta quarta-feira, 13, três liminares apresentadas pela coligação “Novo Caminho” e pelo PT, na qual pediram direito de resposta no programa eleitoral de Weslian Roriz (PSC), adversária dele no segundo turno. Na propaganda, o padre José Augusto, da TV Canção Nova, pede aos fiéis que se mobilizem e não votem em Dilma, pois seu partido seria a favor do aborto.  A coligação "Novo Caminho" apóia o candidato ao governo do DF Agnelo Queiroz, que disputa o segundo turno contra Weslian Roriz.

 

O PT e Agnelo Queiroz  argumentam que a declaração feita pelo padre José Augusto é “inverídica, caluniosa, injuriosa ou difamatória, ou tendente a criar, artificiosamente, na opinião pública, estado mental emocional aterrorizador”. No vídeo, o padre diz: “Se neste segundo turno, eu vou falar com clareza, o PT ganhar... tô falando claro, pode me matar, pode me prender, pode fazer o que quiser... mas eu não posso me calar diante de um partido que está apoiando o aborto, que a igreja não aprova. Eu sou a favor da vida”. A propaganda foi exibida nos dias 11 e 12 de outubro.

 

Também no início da noite de hoje, o juiz Teófilo Rodrigues Caetano Neto, do TRE-DF, negou outras duas liminares apresentadas pelo PT-DF e pelo candidato Agnelo Queiroz que pediam a interrupção da propaganda eleitoral de Weslian Roriz no rádio. As gravações também veiculam falas do padre José Augusto. Para o juiz Caetano  Neto, “não é vedado, ilícito ou ilegítimo que os partidos, no horário de propaganda que lhes é reservado, defendam suas posições e, como forma de angariarem apoio, concitem os eleitores a não votarem nos adversários”.

 

Dilma. A candidata à presidência pelo PT, Dilma Rousseff, também entrou com dois pedidos de direito de resposta contra Weslian Roriz no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por causa da mesma propaganda com trechos de um discurso do padre Augusto. Os processos serão analisados pela ministra Nancy Andrighi.

 

Nos pedidos, os advogados da coligação da petista alegam que a opinião do sacerdote não tem nenhuma contextualização e foi exibida no horário eleitoral para "afirmar que o PT é a favor da interrupção de gestações indesejadas", e ressalta que a posição do PT em relação ao assunto é de "defesa da saúde das mulheres que diariamente se submetem à prática do aborto clandestino".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.