TRE cassa candidatura do PT em Osasco

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo decidiu cassar nessa sexta-feira a candidatura do petista Emídio de Souza à prefeitura de Osasco. A decisão atendeu a recurso apresentado pelo prefeito e candidato à reeleição Celso Giglio, do PSDB, principal adversário de Emídio na disputa. Foi baseada na realização de um showmício do petista, no último domingo, num terreno administrado pelo 4º Batalhão de Infantaria Blindado do Exército. O TRE entendeu que esse tipo de evento caracterizaria improbidade administrativa, permitindo a cassação da candidatura. Os advogados de Emídio já apresentaram recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília, para derrubar a sentença do TRE ou, pelo menos, obter efeito suspensivo da decisão. O TSE pode dar seu parecer sobre o caso neste sábado, uma vez que esse tipo de caso é considerado emergencial, já que influenciaria diretamente no resultado das eleições. No último domingo, a campanha de Emídio realizou um showmício com a participação de Zezé Di Camargo e Luciano e com a presença do presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), e do presidente nacional do PT, José Genoino. Segundo a Polícia Militar, cerca de 10 mil pessoas assistiram ao show da dupla, que tem se exibido nos comícios dos principais candidatos do PT. No dia seguinte, os advogados do tucano Celso Giglio apresentaram recurso alegando que o showmício tinha sido irregular. Foi usado o artigo 73 da Lei Eleitoral, que não permite a cessão e o uso de bens móveis e imóveis da administração pública em favor de candidatos e partidos. Segundo os advogados de Giglio, a utilização de um terreno administrado pelo Exército caracterizaria o ato de improbidade administrativa, com previsão de cassação do candidato beneficiado.Informado da decisão do TRE no início da noite, Emídio reagiu com indignação e decidiu recorrer ao TSE para manter sua candidatura. Segundo seus assessores, Emídio já esperava por algo desse tipo desde o início do dia, quando começaram a chegar informações de que o TRE poderia tomar essa decisão. Ele se reuniu com seus principais aliados, incluindo João Paulo Cunha - que tem domicílio eleitoral em Osasco - e avaliou que havia argumentos suficientes para conseguir reverter a decisão no TSE.A disputa em Osasco é considerada estratégica por PSDB e PT pela sua proximidade geográfica com São Paulo e pelo tamanho de seu colégio eleitoral (cerca de 470 mil eleitores). Até o momento, Giglio tem levado vantagem nas pesquisas de intenção de voto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.