FELIPE RAU | ESTADÃO CONTEÚDO
FELIPE RAU | ESTADÃO CONTEÚDO

Tratativas para formação do 1º escalão entram pela madrugada

Nomes cotados para o Ministério de Temer fazem peregrinação no gabinete da Vice-Presidência

TÂNIA MONTEIRO, DAIENE CARDOSO e RICARDO BRITO, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2016 | 04h01

BRASÍLIA - Na véspera de assumir interinamente a Presidência da República, o vice Michel Temer intensificou na noite da quarta-feira, 10, as tratativas para composição da nova equipe ministerial e recebeu vários dos nomes cotados para ocupar a Esplanada. A ideia do peemedebista é reduzir dos atuais 32 ministérios para 22. As pastas de Esporte, responsável por conduzir a Olimpíada do Rio, em agosto, e o comando do Banco Central serão as únicas sem mudanças imediatas.

“Faz sentido. Sobretudo o Banco Central. A intenção do presidente não é fazer política de ocupação”, afirmou Geddel Vieira Lima, cotado para assumir a Secretaria-Geral da Presidência da República.

Depois de ser cotado para a pasta da Ciência e Tecnologia, o bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus e presidente do PRB, Marcos Pereira, poderá ser alocado agora no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Em reuniões que avançaram madrugada adentro, o vice se reuniu com possíveis nomes que devem fazer parte do primeiro escalão do governo. Por volta das 23h, deixou o gabinete da Vice-Presidência o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, cotado para assumir o Ministério da Justiça. Também esteve com o vice o deputado Raul Jungmann (PPS-PE), cotado para a pasta da Defesa. A Defesa chegou a ser cogitada para o deputado Newton Cardoso Jr., como cota do PMDB mineiro. No entanto, diante da forte resistência dos militares, Temer recuou.

O ex-ministro Henrique Eduardo Alves também se encontrou com Temer ontem e deve voltar a comandar a pasta do Turismo. “Ele gosta muito da área”, disse o ex-ministro Moreira Franco, ao deixar a Vice-Presidência ao lado de Alves. O próprio Moreira, braço direito de Temer, vai fazer parte do núcleo duro do novo governo.

No Senado, o presidente do DEM, José Agripino (RN), confirmou que o deputado Mendonça Filho (PE) foi convidado e vai assumir o Ministério da Educação. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.