Transposição do São Francisco inicia em outubro, diz Geddel

O ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, deputado licenciado do PMDB da Bahia, fez nesta quinta-feira uma previsão do cronograma do projeto de transposição do Rio São Francisco e revelou que as obras não começarão antes de outubro deste ano. Isto quer dizer que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai inaugurar, no máximo, o eixo leste, mais curto, com 220 quilômetros de extensão e duração das obras estimada entre três anos e três anos e meio. Se o projeto for mesmo adiante, o eixo norte, de 400 quilômetros e pelo menos cinco anos de obras, ficará para o sucessor de Lula inaugurar.A transposição do São Francisco é o mais importante projeto do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), lançado em janeiro deste ano.No primeiro mandato, Lula já apostava nas obras como uma marca para seu governo, mas elas foram impedidas por uma série de ações judiciais movidas principalmente pelos Estados contrários à transposição, como Bahia, Sergipe e Alagoas. Superados os entraves jurídicos, as obras dependem agora de um longo processo de licitação. "O processo licitatório não dura menos de três meses", disse o ministro, em audiência pública na Câmara.O deputado Marcondes Gadelha (PSB-PB) disse que estava "horrorizado" com a demora no início das obras e temia pela "morte do projeto". Representante de um Estado historicamente contrário à transposição, Geddel prometeu defender a obras, mesmo que lhe custe "desgaste pessoal", e garantiu que não há nenhuma manobra protelatória.O PSB não engoliu até hoje a perda do ministério da Integração Nacional, para o PMDB de Geddel. O ministério foi ocupado inicialmente pelo deputado socialista Ciro Gomes (CE) e depois por seu secretário-executivo Pedro Britto. No dia do lançamento do PAC, Britto, ainda ministro, informou que o Batalhão de Engenharia do Exército faria as obras iniciais da transposição do São Francisco, enquanto as licitações não fossem concluídas. Geddel disse nesta quinta, porém, que não tem dinheiro para repassar ao Exército e permitir o início das obras."Para que o horror do deputado Marcondes Gadelha não perpetue, quero esclarecer que as obras deverão começar entre meados do segundo semestre e o fim do ano porque existem os processos licitatórios. Não há nenhum mecanismo de protelação, de postergação. E ajudaria muito se os deputados votassem emendas do PAC que me permitissem fazer destaques orçamentários ao Exército para fazer as obras", respondeu Geddel depois da intervenção do deputado socialista.O PAC prevê investimentos de R$ 6,6 bilhões na transposição do São Francisco no período 2007-2010. O projeto pretende canalizar água do rio para Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco, o que beneficiaria 12 milhões de pessoas. O projeto está em fase de licitação simultânea de 14 lotes de obras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.