Evaristo Sa/APF - Felipe Rau/Estadão
Evaristo Sa/APF - Felipe Rau/Estadão

Transferência de votos de Lula para Haddad depende de eficácia da campanha do PT, diz Ibope

Para diretora do instituto, com chapa petista indefinida, Ciro ganha votos no Norte, Centro-Oeste e Nordeste, áreas onde o PT é tradicionalmente forte

Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2018 | 08h40

A diretora-executiva do Ibope Inteligência, Marcia Cavalari, disse nesta quinta-feira, 6, em entrevista ao Jornal Eldorado, que a transferência de votos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para seu vice, Fernando Haddad, caso o ex-prefeito paulistano assuma a cabeça de chapa do PT, dependerá da capacidade do partido de comunicar que ele é o candidato de Lula nas eleições 2018. Pesquisa Ibope divulgada na quarta-feira, 5, mostrou Haddad em quinto lugar, com 6% das intenções de voto, atrás de Jair Bolsonaro, do PSL, (22%), Ciro Gomes, do PDT(12%), Marina Silva, da Rede, (12%) e Geraldo Alckmin, do PSDB, (9%)

Enquanto o PT não define quem substituirá Lula, que ainda tenta com recursos na Justiça reverter sua impugnação, o candidato do PDT Ciro Gomes registrou ganhos importantes no  no Norte e Centro-Oeste, onde subiu oito pontos porcentuais na comparação com o levantamento anterior e no Nordeste, onde o ex-governador do Ceará cresceu seis pontos.  

"Haddad tem um terreno que vai depender da eficácia da comunicação do PT em falar pras pessoas que ele é o candidato apoiado pelo ex-presidente Lula", disse Marcia. "Quando Lula não está no cenário, há um crescimento natural do Ciro Gomes muito em função dos eleitores não conhecerem Fernando Haddad e não saberem que ele será o candidato do PT.  Haverá novas movimentações dos eleitores com o apoio do Lula ( a Haddad)."

Ainda de acordo com a diretora do Ibope, o primeiro levantamento feito após a impugnação da candidatura de Lula e o início da campanha no rádio e TV mostra uma diminuição significativa do número de indecisos e brancos e nulos: de 38% para 28%.  

Sobre a campanha do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, Marcia Cavalari disse que a votação do tucano ainda é estável em vários segmentos. "Como a pesquisa pegou apenas o primeiro programa na TV, temos de ver se com mais tempo de horário eleitoral há alguma movimentação", afirmou "Com mais tempo você ajusta melhor o discurso. 

A alta taxa de rejeição do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, concluiu a diretora do Ibope, deve ter um peso maior no segundo turno. "Uma rejeição consolidada é difícil de ser mudada ao longo do caminho", disse. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.