JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Transferência de Lula só pode ser autorizada na Justiça, diz Jungmann

Segundo o ministro, não há como o Executivo interferir no assunto e governo não tem ingerência alguma na questão

Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 17h13

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse hoje que a transferência do ex-presidente Lula, condenado e preso na Operação Lava Jato, para uma sala de Estado Maior em repartição militar, como avalia pedir a defesa do petista, depende de autorização unicamente da Justiça. Segundo o ministro, não há como o Executivo interferir no assunto.

+ Barrados na visita a Lula, governadores deixam ‘registro de indignação’

"Quem concede esse direito, exclusivamente e privativamente, é a Justiça ... O governo não tem nenhuma ingerência nessa questão", afirmou Jungmann, em entrevista dada a jornalistas após se reunir com secretários estaduais de segurança pública durante visita a uma feira de armamentos, equipamentos e dispositivos de segurança organizada na zona sul da capital paulista.

Jungmann negou que concordaria em flexibilizar regras de visitas ao ex-presidente, como chegou a relatar a presidente do PT, Gleisi Hoffmann. "Visitas ao presidente Lula só quem pode autorizar é o juiz", disse o ministro, esclarecendo deu aval apenas para que governadores, parlamentares e lideres petistas possam ir à Polícia Federal. "Um imóvel público não pode fechar as portas às autoridades e aqueles que as representam. Agora, visita é com o juiz, não é conosco".

+ Moraes diz que PEN não pode retirar liminar contra prisões após segunda instância

O ministro disse ainda que, por dever do cargo de chefe institucional da Policia Federal, teve que manter contatos com representantes da Justiça, da defesa de Lula, incluindo o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, e do próprio governo nas negociações em torno da entrega do petista, que se instalou na sede do sindicato dos metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, após ter ordem de prisão decretada pelo juiz Sergio Moro. Jungmann assinalou, porém, que não teve durante as negociações contatos nem com Lula, nem com Moro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.