Trabalho escravo é flagrado em assentamento do Incra

A Gleba Pacoval, um assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na região de Curuá-Una, em Santarém, no oeste do Pará, está servindo para a prática de trabalho escravo, esconderijo de armas e extração ilegal de madeira.Num trabalho que durou mais de uma semana e foi mantido sob rigoroso sigilo, uma equipe do Ministério do Trabalho de Brasília, apoiada por agentes da Polícia Federal e fiscais da Delegacia Regional do Trabalho (DRT) de Santarém, prendeu Juscelino dos Santos Lima, de 40 anos, acusado de manter 70 peões em regime de semi-escravidão, além de apreender armas, farta munição e oito tratores que eram utilizados na derrubada ilegal da floresta.Os fiscais do trabalho lavraram 45 autos de infração, sendo 31 deles por infringência das normas de segurança e saúde do trabalho, e outros 11 por violação das leis trabalhistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.