Trabalho escravo ainda é mancha no País, diz Vannuchi

Para ministro, o trabalho deve ser de prevenção, para o trabalhador 'não se deixar atrair por falsas promessas'

Agência Brasil

09 de outubro de 2008 | 16h44

O ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH), Paulo Vanucchi , disse nesta quinta-feira, 9, que o trabalho escravo ainda é "uma mancha que envergonha o Brasil".  Em entrevista a emissoras de rádio, durante o programa Bom Dia Ministro, no estúdio da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), ele avaliou que os casos de trabalhadores encontrados em condições análogas à escravidão no país representam "pouca gente" - entre 20 mil e 50 mil pessoas -, mas que cabe ao Estado brasileiro "erradicar essa vergonha". "(Os trabalhadores) são levados para a região da Amazônia, de Mato Grosso, do Pará, do Tocantins e lá ficam submetidos a jagunços que não os deixam escapar e a pessoas que criam uma situação de escravidão pela dívida. A pessoa perde a liberdade de ir e vir." Para Vannuchi, o trabalho deve ser de prevenção, para o trabalhador "não se deixar atrair por falsas promessas", além de punição para os "péssimos fazendeiros". Segundo o ministro, a agricultura do Brasil é a melhor do mundo, caracterizada por solos férteis e pela quebra de recordes na produção de soja e de cana-de-açúcar. "(O trabalho escravo) pode sujeitar nosso país a ações na Organização Mundial do Comércio (OMC). A alegação de que aqui se pratica trabalho escravo pode levar a um desastre na nossa folha de exportações." Ele reconheceu que ainda existe uma espécie de desconfiança da população em relação à defesa dos direitos humanos. A idéia de que eles existem apenas para proteger os que fazem mal à sociedade, de acordo com Vannuchi, permanece como uma "forte mentalidade nacional", sobretudo nos segmentos sociais mais pobres e que mais necessitam da garantia de seus direitos. "É uma explicação enfiada na cabeça deles por setores do regime militar que foram derrotados. Uma visão da polícia como agente de repressão. É preciso corrigir essa má compreensão e o jeito de fazer isso é por meio de longos investimentos em educação. Incluir mais a educação em direitos humanos desde muito cedo."

Tudo o que sabemos sobre:
Trabalho escravo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.