Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

'Trabalharei pelo desenvolvimento de São Paulo', afirma Alckmin

Leia abaixo a íntegra do discurso da posse do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, na Assembleia Legislativa:

01 de janeiro de 2011 | 11h00

 

'É com emoção que volto a esta casa. Aqui cheguei, pela primeira vez, como deputado estadual, em 1983. São Paulo e o Brasil viviam, então, momentos de grande entusiasmo e efervescência. A esperança renascia. O horizonte se desanuviava, pela participação intensa de lideranças políticas e da sociedade nas causas democráticas. O povo se mobilizava.

 

O retorno das eleições diretas para governador - que, em São Paulo, conduziu Franco Montoro e Orestes Quércia ao Palácio dos Bandeirantes -, intensificou a luta: campanha das Diretas, Já!, eleição de Tancredo Neves, o começo da Nova República. Em toda essa trajetória, a Assembleia Legislativa de São Paulo teve uma atuação destacada, seja como fórum de discussão dos temas que sensibilizavam a todos, seja como um dos espaços de articulação política para a consecução do fim almejado: a restauração plena do Estado Democrático de Direito.

 

Presto, pois, as homenagens devidas a todos aqueles que se empenharam nesse processo e na normalização institucional do nosso País. É uma grande honra assumir o governo de São Paulo em sucessão aos governadores José Serra e Alberto Goldman. Mas é, sobretudo, uma grande responsabilidade. São Paulo assombra pela variedade da sua riqueza, pela dimensão da sua economia, pela sua população: 41 milhões e 500 mil habitantes. Mas para nós, esse número não é um simples dado estatístico. É, isto sim, uma complexa informação social, porque consideramos que atrás de cada um dos seus algarismos está uma pessoa; estão suas necessidades, seus anseios, suas esperanças.

 

O trabalho que temos pela frente é enorme. Mas é inesgotável nossa disposição de empreendê-lo - a cada dia, a cada hora, a cada minuto dos próximos quatro anos. Vou trabalhar para desenvolver o conhecimento, a cultura, as atividades econômicas, a infraestrutura, a logística, pois precisamos de uma sociedade de oportunidades. Vou trabalhar pensando no operário que madruga, em pé, nos pontos de ônibus, e que só noite alta volta ao lar, à sua família. 

 

Vou trabalhar com a mente e o coração voltados à trabalhadora que deixa os filhos em casa - uns cuidando dos outros -, e vai dar duro na fábrica, nos escritórios, nas lojas ou em casas alheias. Vou trabalhar com ardor para que - dos recém-nascidos aos mais idosos - todos tenham acesso ao atendimento médico e hospitalar de qualidade e humanizado.Vou trabalhar com afinco para que todas as crianças e jovens recebam a educação necessária para aproveitar as oportunidades do mercado de trabalho.

 

Nenhum paulista será deixado para trás. Novamente convocaremos os vários segmentos da sociedade para parcerias, maximizando aquelas com os prefeitos e as prefeitas dos 645 municípios paulistas, porque eles representam o poder mais próximo do povo.

 

Retorno a esta casa mais vivido, porém com o mesmo ânimo e o mesmo desejo de trabalhar por São Paulo e pelos paulistas. Recebo mais uma vez a responsabilidade de governar o estado onde nasci, onde nasceram minha esposa, meus pais e avós, meus filhos e minha neta. Chego trazido pelo voto popular - instituição que defendo e sempre defendi ao longo da minha vida pública.

Assumo este cargo com amor pelo país, por São Paulo e cada um dos paulistas. Aos que me honraram com seu voto, sou devedor de uma gestão digna e produtiva. Aos que se me opuseram, afirmo o propósito de cumprir meu mandato além dos compromissos do programa.

 

Assumo o governo do estado cercado de colaboradores competentes e leais. Independentemente do partido a que pertencem, responderam ao meu chamado, com a disposição de dar o melhor de si e dos seus conhecimentos a todos os paulistas. Sou grato a essa equipe de secretários de estado que me acompanhará nos próximos anos. Com eles, praticarei a forma mais ágil de tomar a melhor decisão, em cada área do governo.

 

Assumo o governo perante o Poder Legislativo, expressando o desejo de ser cobrado pelos meus atos e apoiado nas propostas que melhor atenderem aos anseios das pessoas. Conto com uma oposição responsável que proponha o diálogo e que colabore para melhorar o processo político e o governo como um todo. Aguardo uma interlocução permanente e uma convivência frutífera. Como ex-vereador e ex-deputado considero-me um par.

 

Assumo o Executivo enriquecido por essa experiência legislativa. Assumo o governo no respeito ao marco legal que o Poder Judiciário exerce e aperfeiçoa. Tenho orgulho de ter participado, como ator principal ou como coadjuvante, de governos estaduais rigorosos e cumpridores das leis. Exercerei o meu mandato no absoluto respeito à Constituição, às instituições e ao direito das pessoas.

 

Quero fazer um governo que possa ser noticiado por suas boas práticas e observado criticamente nas suas faltas. Sei que a imprensa tem exercido um papel fundamental no aperfeiçoamento da democracia brasileira e quero que os atos de governo tenham ressonância nas mídias, independentemente da voz oficial. Os paulistas e os brasileiros devem aos meios de comunicação muitos dos bons frutos da sociedade em que vivemos.

 

Entendo que a liberdade de imprensa é um valor fundamental da democracia, e que prestar contas dos atos da administração, mais do que uma obrigação legal, é um imperativo ético para os homens públicos. Assumo o governo em nome das pessoas deste estado, e é para elas, em especial para as mais humildes, que vou trabalhar intensamente, devolvendo, em boas práticas de governo, a confiança que depositaram em mim. Por fim, trabalharei pelo desenvolvimento de São Paulo da única forma que os paulistas admitem, que é a de, ao mesmo tempo, trabalhar pelo desenvolvimento do Brasil.

Muito obrigado.'

Tudo o que sabemos sobre:
possegovernadorespossealckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.