Trabalhadores rurais interditam rodovia Rio-Bahia

Centenas de trabalhadores rurais ligados à Federação dos Trabalhadores da Agricultura da Bahia (Fetag-BA) interditaram durante toda a manhã, no município de Antonio Cardoso, a 140 quilômetros de Salvador, a rodovia BR-101 (Rio-Bahia) uma das mais importantes que cortam o Estado, para protestar contra a privatização da Barragem de Pedra do Cavalo, que será leiloada pelo governo baiano amanhã, na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. Os manifestantes fizeram uma barreira de pneus velhos e tocaram fogo impedindo a circulação de veículos, provocando engarrafamentos quilométricos nos dois sentidos. Vários motoristas de caminhão que se sentiram prejudicados com interdição tentaram furar o bloqueio e quase entraram em luta corporal com os manifestantes. O presidente da Fetag-BA, Édson Pimenta, ?lamentou? os transtornos, mas defendeu o protesto alegando que somente desta forma é possível chamar a atenção da opinião pública para o assunto. Ele teme que depois de Pedra do Cavalo, o governo estadual queira privatizar todos os rios grandes e médios, inclusive os mananciais subterrâneos, prejudicando as populações que dependem da água para sobreviver no sertão baiano. Pimenta avisou que os trabalhadores rurais, organizações não-governamentais e dioceses do interior da Bahia vão resistir às privatizações. A Barragem de Pedra do Cavalo, situada no leito do Rio Paraguaçu é responsável pelo abastecimento de água de Salvador e região metropolitana, tendo a capacidade de acumular cerca de cinco bilhões de metros cúbicos de água. Quando foi construída, na década de 80, os engenheiros a deixaram pronta para ser transformada numa hidrelétrica. Pelas avaliações do Ministério das Minas e Energia, com investimentos da ordem de R$ 176,8 milhões para a instalação de geradores e demais equipamentos, a barragem pode gerar 160 megawatts.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.