André Dusek/AE
André Dusek/AE

Trabalhadores rurais desocupam Ministério da Fazenda

Cerca de 300 pessoas, segundo os manifestantes, invadiram edifício no início da manhã desta quarta-feira para cobrar mais recursos para reforma agrária

Renata Veríssimo, da Agência Estado, e Agência Brasil

23 de maio de 2012 | 12h29

Ampliado às 13h

BRASÍLIA - Os integrantes da Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf), entidade filiada à Central Única dos Trabalhadores (CUT), desocuparam o prédio do Ministério da Fazenda, que havia sido invadido nesta quarta-feira, por volta das 6 horas. Assim, os servidores do ministério já puderam entrar no prédio. No entanto, ainda há um forte policiamento no local, onde alguns manifestantes permanecem, mas num clima de tranquilidade.

Eles decidiram desocupar o local após representantes da pasta aceitaram receber líderes da Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf), para discutir as reivindicações do movimento, entre elas mais recursos para a reforma agrária. Participam do encontro o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, técnicos da pasta e a coordenadora-geral da Fetraf, Elisângela Araújo. “Nosso setor também é importante para a economia brasileira, porque nós produzimos alimentos e também podemos acabar com a miséria no país”, afirmou a coordenadora.

Segundo os organizadores, cerca de 300 trabalhadores rurais participaram do protesto. A Polícia Militar, no entanto, estimou em 150 o número de manifestantes. A mobilização ocorreu simultaneamente em vários estados, segundo a coordenadora-geral, com o objetivo de "destravar a pauta de reivindicações" do movimento, encaminhada ao governo federal em abril.

Além do vidro da portaria principal do ministério, os manifestantes também quebraram portas de vidro dentro do prédio. Agentes e peritos da Polícia Federal foram ao local para avaliar danos ao patrimônio público durante o protesto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.