Trabalhadores protestam contra programa da seca em PE

Insatisfeitos com o programa do governo federal para o atendimento dos flagelados da seca, os trabalhadores rurais de Pernambuco estão se mobilizando em protestos que começaram hoje e devem se estender até a segunda-feira no agreste e no sertão. As manifestações são coordenadas pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado (Fetape), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e Movimento Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).Hoje, 400 agricultores ligados à Fetape bloquearam durante uma hora a BR-232, no quilômetro 136, em Caruaru. Nesta quarta-feira a Fetape promove outra manifestação, em Limoeiro, enquanto o MPA e o MST, juntos, fazem uma passeata em Caruaru, que deve terminar com ato público na frente da prefeitura. Sexta-feira haverá manifestação da Fetape em Ouricurí e segunda-feira em Petrolina, no sertão.Os trabalhadores bloquearam a BR-232 queimando pneus e troncos. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a barreira provocou um congestionamento de 8 quilômetros. O ato foi pacífico e não houve confronto com a polícia.A secretária de organização e formação da Fetape, Maria José de Carvalho, disse que o protesto é contra a Bolsa-Renda, pois serão beneficiados apenas 173 mil pessoas, o que é insuficiente, com R$ 60,00 mensais, valor considerado muito baixo. "A necessidade é de 400 mil vagas em Pernambuco e a remuneração deveria ser equivalente a um salário mínimo, R$ 180,00", afirmou ela, acrescentando que o objetivo da Fetape é pressionar o governo federal a modificar o plano.Os trabalhadores vinculados ao MPA e MST reivindicam perdão das dívidas agrícolas, crédito subsidiado para custeio e investimento, crédito emergencial de R$ 2 mil para as famílias prejudicadas com a estiagem, além de alimentação de boa qualidade e garantia de água permanente através da construção de cisternas, poços artesianos e açudes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.