Tony Blair prestará consultoria ao governo de São Paulo

O ex-primeiro-ministro do Reino Unido Tony Blair vai prestar consultoria ao governo de São Paulo para melhorar as condições de gerenciamento e modernização de projetos de longo prazo no Estado. De acordo com o governador Geraldo Alckmin (PSDB), a consultoria será prestada por meio do Movimento Brasil Competitivo (MBC), que implantará um projeto de modernização de gestão que custará R$ 12 milhões ao longo de um ano.

BIANCA RIBEIRO, Agência Estado

27 de agosto de 2012 | 13h25

Alckmin disse nesta segunda que o governo estadual não terá nenhum desembolso para a implementação do Programa Modernizando a Gestão Pública (PMPG) e que o projeto será bancado pelo setor privado, organizado pelo MBC. "A intenção é melhorar o portfólio de obras e criar uma ''unidade de entrega'' por meio de dados objetivos para cumprimento das tarefas e capacitação de funcionários", disse o governador, sem detalhar os projetos que formarão o programa.

Em solenidade no Palácio dos Bandeirantes nesta manhã em São Paulo, o ex-primeiro ministro do Reino Unido Tony Blair comentou ser um "privilégio" participar dessa iniciativa, que visa reunir a experiência de gestão do setor público com a capacidade de execução do setor privado.

De acordo com o governo do Estado, o planejamento estratégico de longo prazo, chamado SP 2030 - Construir Juntos o Futuro de São Paulo, tem como primeira etapa o desenho e a implantação do modelo de gestão por resultado para levantar diagnósticos precisos da administração de São Paulo. A expectativa é de que seja possível promover a disseminação desse modelo de gestão para o conjunto de secretarias e órgãos da administração direta do Estado.

Os custos de consultoria do Escritório Tony Blair estarão no orçamento de R$ 12 milhões, mas o governo estadual não informou quanto custará o serviço específico a ser prestado pela empresa.

Tudo o que sabemos sobre:
Tony BlairconsultoriaSPAlckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.